quarta-feira, abril 09, 2014

Alheia à engrenagem

Ilha do Pico, cortesia de Abílio Henriques



Exponho-me na versão insensata de qualquer episódio.
Misturo as datas dos factos primordiais,
dos ritos de passagem,
do solstício, da lua nova.
Morro e nasço.
Desdobro atitudes,
evocando arautos de estranhas profecias,
alheia à engrenagem
montada por artífices de paradoxos e de teias. 

De Conjugar afectos, 1977

11 comentários:

Graça Pires disse...

Sempre tão Amiga...Bem haja pela divulgação e pelo carinho.
Um grande beijo.

Cidália Ferreira disse...

Boa noite Menina marota.

Parabéns pelo lindo poema que nos oferece a ler... Adorei

Visite.

Beijinhos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

© Piedade Araújo Sol disse...

uma bela escolha de um poema lindíssimo da "nossa" Graça Pires.

a tua generosidade sempre em alta.

parabéns Às duas.

beijo

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
belos poema significativo em cada uma das suas palavras.
Dia feliz.
ag
http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

heretico disse...

uma bonita homenagem ao talento e à sensibilidade poética de Graça Pires.

beijos para as duas boas amigas.

Zé Pinto Lopes disse...

Cumprimentos.
Muito bela a imagem da Ilha do Pico com as suas névoas perenes.
Gostei, também, do poema.

Benno disse...

é bom não saber as datas importantes e, por via das dúvidas e não se arriscar a ser desrespeitoso, viver cada dia como se ele fosse santo (e ele é).

Duarte disse...

Gosto!!!
Mas de tudo, desde a fotografia da ilha do Pico, com esse imenso promontorio a espreitar perennemente... aos versos que destilam a Graça e a magia da autora...
Abraços para ambas

AFRICA EM POESIA disse...

VIM matar saudades E DEIXAR UM BEIJINHIO

Expedito Gonçalves Dias disse...

Menina, que texto gostoso. Personagem despretenciosa, mas inteiramente antenada. Curti muito.
Abraços!

DE-PROPOSITO disse...

Entender um poema nem sempre é fácil.
Aqui estão 9 versos e em boa verdade não entrei na engrenagem. Talvez não esteja inspirado para 'compreender'.
----------
Que a felicidade ande por aí.
Manuel