sexta-feira, outubro 18, 2019

Marés

Pintura de Ana Teresa Fernandez



Tiveste-me a teus pés
servi-te de tapete
afoguei-me em mil marés 
fruto de sentimentos

No caminho percorrido, 
passo a passo, 
o calor de cada momento 
 
Nas memórias que me seguem
permanece a saudade 
entre o amor e o pensamento.

quinta-feira, junho 20, 2019

Depois da chuva



Abre a janela, e olha! 
Tudo o que vires é teu.
A seiva que lutou em cada folha,
E a fé que teve medo e se perdeu.

Abre a janela, e colhe!
É o que quiser a tua mão atenta:
Água barrenta,
Água que molhe,
Água que mate a sede...

Abre a janela,
quanto mais não seja,
Para que haja um sorriso na parede!

Miguel Torga – in Diário XV




Sempre me identifiquei com este poema.  Direi até: adoro este poema!
E abro a janela. E sorrio. 
E apetece-me Verão. Dias quentes. Sol.
Os pássaros chilreiam debicando o prato de comida que coloco a meio do terraço, debaixo da mesa, ao lado de uma taça de água. 
Agora, sem o Sting a assustá-los, é vê-los empurrando-se ou, muito simplesmente, mergulhando as cabecitas na taça de água. 
Esvoaçam ou saltitam de um lado para o outro. Desisti de os fotografar. Ao mínimo movimento levantam voo. Mas... é uma delicia observá-los.
A gata Yuki de visita, em férias, em minha casa, segue-os com aqueles grandes olhos amarelos. Acho que ainda não tinha dado bem conta, noutras visitas, da existência de tais exemplares soltos no terraço, habituada que estava a ver o Pipoca na sua gaiola amarela
Até me assustei quando a deixei ir apanhar sol e uma pega, nada habituada a ter o terraço ocupado com tal ser, começou a grasnar com tal força que corri a tirar de lá a gata, não fosse ela atacar a bichana tal eram os gritos que dava. 
Aquela ave preta e branca de cauda bastante comprida é assídua visita do meu terraço. 
Primeiro uma, depois outra, agora são um par que fazem companhia aos pardais e outros pequenitos de que não sei o nome e lhes roubam os bocados de pão que coloco no prato. 
Divirto-me com estes pequenitos que alheios à minha presença saltitam de um lado para o outro na luta de migalhas para a sua sobrevivência. 
E cantam felizes.

Um visitante na hora do lanche
Que estará a dizer a Yuki ao Pipoca?
Será que o bicharoco já se foi embora?

Amanhã chega o Verão. Chegará mesmo?  

segunda-feira, março 11, 2019

Amor Canino



Adeus, meu Sting

Nunca te vou esquecer. 




Partiste 
E meu coração
Por entre lágrimas e sorrisos 
Lembra tudo que nos deste. 



Energia brincadeiras correrias. 


Partiste 
Mas fica para sempre a lembrança
Do teu entusiasmo
Lealdade
Ternura
Compreensão
Os teus sons ficam na memória 
Tua presença na imaginação. 



Partiste
Os teus passinhos pela casa
Já não se fazem ouvir. 
O som dos teus latidos 
 Não chamam a atenção. 
O teu corpo pequenino
Não se enrola nos meus pés
O calor do teu afecto
Não me enche o coração 



Partiste
As tuas pequenas asneira
Já não me fazem zangar
Os nossos passeios ficam por dar
E as escovas do teu pelo
Não mais te vão escovar. 



Partiste
Mas vais ser sempre
O meu pequenino.
O meu amor canino 
O meu Sting
A minha adoração.



Um dia, quem sabe
Nos reencontraremos. 


10-10-2002 - 09.03.2019



Até Sempre, Companheiro!