sábado, fevereiro 23, 2008

Aquela Ilha esquecida


Pintura de Max Szoc Leuven

Aquela Ilha esquecida
Que eu habito adormecida
Que, à noite, eu vou habitar;

Aquela Ilha encantada
Que não se encontra de dia,
Pois fica na madrugada;

A Ilha não descoberta,
Onde a criptoméria aberta
Espalha em volta o luar;

A Ilha desconhecida
Que pelos caminhos do sonho
Se mostra a quem a buscar.

Àquela Ilha distante,
Não há ninguém que se afoite ...

Aquela Ilha esquecida
Que só tem um habitante:
Eu que lá vivo de noite ...

(Poema de Natália Correia)

16 comentários:

António Melenas disse...

Ora aqui está uma inteligente maneira de divulgar a poesia portuguesa: ofrecer a "entrada" para aguçar o apetite e levar o apreciador a vir à procura do prato completo, que, por inercia lhe iria passar despercebido
A Natalia merece
Bjs.

A.Mello-Alter disse...

Com estas flores, só alguem sem coraão esquecia a ilha.

Victor Nogueira disse...

Olá :-)
Grato pelo mail e pelo poema e pelo blog.
Se quiser passe por http://osabordolhar.blogspot.com e no dia 21 de Fevereiro encontra o Convívio do Movimento e do Contraste. Esperamos por si, pela sua presença e pela sua contribuição.
Abraço
VN

Vieira Calado disse...

É assim.
Em poesia, os lugares donde viemos, estão sempre presentes em nós.
A Natália nasceu numa ilha...

Beijinhos

Anónimo disse...

Superaste-te!!!!!!
Este post está divinal!!! E a música, só tu para conseguires juntar 3 coisas excepcionais!!!
Estou sem fôlego!!! Não me apetece desgrudar daqui.



Bjs

Jorge Silva

marias disse...

E que ilha tão bonita!...
Podia viver lá eu também.
A imagem divina!

Beijinhos

lena disse...

entro e encontro um momento de extrema beleza

conseguíste juntar o excelente poema de Natália Correia, com uma imagem sublime e com uma música tão bela

a ilha, um poema que me deixa embalada em tanto encanto pelos "caminhos do sonho"

estar nos teus cantinhos maravilhoso, menina linda

um abraço meu onde o carinho mora

beijinhos para ti

lena

Paula disse...

Linda poesia de Natália Correia!
Bem escolhida!
Forte abraço!

Meg disse...

Grande Natália, em busca da sua ilha, de si própria. num registo bem mais "soft" do que a maior parte da sua obra... eu não conhecia este poema, e gostei muito de o ler, vou reler muitas vezes.

Tenho publicado alguns poemas de Natália Correia, ela é uma presença assídua lá em casa, pela força, pela garra, pela frontalidade.

Um abraço, Menina!

Anónimo disse...

Mas que coisa mais linda. A imagem então tem qualquer coisa de, nem sei dizer a palavra ma é magnifica.
São realmente fantásticas aa tuas escolhas
muitos beijosss da Ana Fragoso

Pepe Luigi disse...

É nosso previlégio poder ler através do seu blogue este riquíssimo poema de Natália Correia, que presumo seja pertencente ao espólio a que corresponde o seu período de expressão sensorial.

Desejo um resto de Domingo tranquilo com um beijinho
Pepe

blue disse...

obrigada, menina-marota.

Mocho-Real disse...

Marca inconfundível de uma das melhoras poetisas portuguesas de sempre, na minha opinião, claro!

Um abraço.

Jorge G.

Anónimo disse...

Uma grande Senhora da poesia, é bom não cair no esquecimento.
Bj
Z.

Mïr disse...

Excelente!

Pena é este país só reconhecer os autores quando já não estão entre nós.

Beijinho.

aflores disse...

Nem todos serão como a "nossa" Natália Correia, mas teremos talvez, algures....também uma ilha.