sábado, outubro 31, 2020

Monólogo em dias de Confinamento...



Quando resolvi, há mais de vinte anos, pegar nos meus “tarecos”, nos filhos, no gato Farrusco e trocar a cidade onde vivia, pela freguesia onde moro muito perto do mar, não poderia adivinhar o que o futuro traria.

Ouvir os sons da natureza, que numa cidade nos está vedado, desde o cantar do galo, manhã cedo, ao chilrear do conjunto da passarada que prolifera, diariamente, pelos céus, junta-se a paisagem, por vezes estonteante, que o nosso olhar alcança. E o sossego, só quebrado pelos sons da natureza ou de alguma buzinadela de condutor mal-disposto, era inspirador.

Era um sonho há muito pensado:sair da poluição e do barulho, constante, e viver numa zona rural mas perto do mar.

Confesso que um volte-face inesperado da vida colocou em causa tudo aquilo por que tinha lutado.
E um esgotamento mental tomou posse de mim. O sossego era ensurdecedor. A rua do "lá vai um” de que eu tanto gostava passou a ser intolerável.

Até o cantar dos pássaros de que tanto gostava (e continuo a gostar) me incomodava.

Precisava de ver gente, de a sentir, do pulsar do dia a dia. Mas também não saía de casa. Nao conseguia!
Tirando as caminhadas, que sempre gostei de fazer, ou fazer compras, o caminho era sempre directo para casa.

Cheguei ao ponto de a querer vender e ir para um local mais movimentado.

Ultrapassei essa fase. Nao vendi a casa. E, hoje, dou graças a Deus por isso.
Continuo a fazer as minhas caminhadas.
Feliz.

As ruas por onde passo estão desertas. Assim…“lá vai um”…
E, para mim, nesta fase tão delicada de contágios, viver aqui, é realmente uma benção.
Os dias passados dentro de casa, sozinha com o canário Pipoca, enquanto o filho vai trabalhar, não me custam.

E continuo a encantar-me com os sons da natureza. A ouvir música. A ler. A escrever, quando estou para aí virada.
E quando saio de casa, entro no elevador de máscara, até chegar à rua.
Depois tiro-a.

Volto a colocá-la antes de entrar no café da D. Gininha.
Dois dedos de conversa, do dia a dia. Sempre à baila, a pandemia..
Que haja respeito e responsabilidade entre todos, diz a simpática dona do café.

Está na hora de voltar a casa...
 




Fotografias pessoais tiradas ontem pelo meu filhote

 

23 comentários:

chica disse...

Gostei de ler e acompanhar tuas emoções e sentimentos. Que bom agora estás num lugar assim calmo ,tranquilo. Que tudo continue bem! beijos, tudo de bom,chica

carlos disse...

oi menina marota...
parabéns por teu Blog: excelente...

A.S. disse...

Olá Otília!
Conheço muito bem a zona onde moras. É na verdade maravilhosa!
Acho que ali, tem tudo para uma tão necessária tranquilidade, onde podes desfrutar de tudo quanto gostas. Sobretudo o mar, que para ti é um doce fascínio! Ah!... e o canto da passarada!...eheheh

Um abraço!

" R y k @ r d o " disse...

Por vezes o silêncio e a pacatez dos locals onde moramos e circulamos são um remédio maravilhoso para a alma e o bem estar do coração.

Fim de semana feliz

Ricardo Santos disse...

Não há nada como um casa, um lar e conseguimros fugir do bulício da cidade. Nem é preciso ir muito longe, mas é preciso ter posses para o fazer.
Ouvir a natureza, é um privilégiuo a que nem todos têm possibilidade de o fazer.
Ainda não perdi a vontade de o fazer também, preciso somente e neste momento das posses. Talvez apareçam, quem sabe !?

Mário Margaride disse...

Olá minha amiga!
Grato, pela visita e gentil comentário.
Sem dúvida que uma deriva pela natureza, no sossego entre o chilrear dos pássaros e barulho tranquilizante do mar... é um bálsamo que nos relaxa e nos reconforta.
Votos de ótima semana!
Beijinhos!

Mário Margaride

Graça Pires disse...

Aquilo que por vezes nos parece uma decisão errada acaba por se manifestar como a decisão mais certa que tomamos. Compreendo, no entanto que a mudança lhe tenha custado no início. Agora está bonita, como mostra a fotografia e tranquila...
Cuide-se bem, minha querida Amiga.
Uma boa semana.
Um beijo.

María disse...

En estos días de paciencia no queda más remedio que tener paciencia, todo volverá como antes, solo se necesita tiempo.

Besos.

Pedro Coimbra disse...

Pensar mais no nós e menos no eu, no umbigo.
Só assim venceremos a pandemia.
Bjs, boa semana

MARIUS disse...

A espontaneidade de escrever o que te vai na alma e que na minha opinião te torna tão especial está aqui bem descrita.
Amei toda essa tua sensibilidade e a forma como a retrataste. E estás tão bonita! Parabéns por este monólogo.
Um abração de cá de todos nós

MARIUS disse...

A música é linda e tão bem adequada!

Mário Margaride disse...

Belas palavras, que descrevem o sentir das emoções...
Continuação de ótima semana!
Beijinhos!

Mário Margaride

Les uns et les autres disse...

Também saí da cidade poluía e vim para o meio das oliveiras, também entrei em depressão, algo que vai e vem, mas sempre passa. Os pássaros cantam, os meus cães e gatos dão-me amor, os filhos vejo-os por um pequeno écran, mas estamos sempre unidos.

Mário Margaride disse...

Olá amiga!
As emoções estão bem dentro de nós, nos momentos mais difíceis.
Mas o sol nasce todos os dias, para iluminar a nossa alma...
Bom fim de semana!

Beijinhos!

Mário Margaride

manuela barroso disse...

Quando se está confinado com a impressão que tudo está infectado de micróbios, não há saúde mental que resista. Quando se está confinado sem um jardim onde se possa tocar em algo que não está infectado, é uma bênção.
Mas poder usufruir e já nada nos fazer sorrir, é martírio.
Depois, até a história dos nossos bibelots nos irrita.
Como a compreendo!
Beijinho, Otília

Jaime Portela disse...

Nesse ambiente o risco de contaminação é bem menor.
Gostei de ver a foto que o teu filho fez. Continuas na mesma, o tempo (nem o vírus) não te pega...
Bom fim de semana, querida amiga Otília.
Beijo.

Mário Margaride disse...

Olá Otília!
Sem dúvida que a vida na natureza, é muito mais saudável que nas grandes cidades. Gostei muito da forma como transmites as tuas emoções.
Uma boa semana!
Beijinhos!

Mário Margaride

hanna disse...

Tus emociones se reflejan en las letras y tu foto ilumina la esperanza. Beso

Mário Margaride disse...

Olá Otília!
Debaixo de mais um confinamento, venho deixar um beijinho de boa noite, e votos de ótima semana!

Pimenta Mais Doce disse...

Gostei muito de ler as suas emoções <3
Segui o seu blog e quero convidá-la a visitar e a seguir se quiser o meu blog de volta <3

www.pimentamaisdoce.blogspot.com

Mário Margaride disse...

Olá Otília!
Aqui deixo o meu desejo que esta pandemia acabe rapidamente, para que possamos voltar a ter a nossa normalidade.
Uma boa noite!
Beijinhos!

Mário Margaride disse...

Olá Otília!
Neste diambular pela tua crónica do teu confinamento neste lugar tranquilo e sereno. Lá continuamos com mais confinamento. Embora mais curtos, mas lá continuamos. Enfim...
Continuação de ótima semana!
Beijinhos!

Mário Margaride disse...

Olá Otília!
Passei por aqui, para reler este excelente texto, e desejar um excelente fim de semana!
Beijinhos!