quarta-feira, abril 08, 2020

Amor e Outros Crimes em Vias de Perdão

Henri Matisse

1. 

tu nunca hás-de entender o tamanho das noites 
em que gastei tudo o que havia 
por dentro dos meus olhos 
os rios que de ti desaguaram sempre 
nas minhas veias 

eu não sabia 
ou talvez já o tivesse esquecido 
como podem ser mortíferas as cinzas 
das palavras que um dia tiveram asas 

e ainda mais mortíferas as garras 
que nos destroem com os pequenos medos quotidianos 
a que não podemos escapar 
porque as sílabas da paixão são sempre 
os primeiros objectos a serem retirados do quarto 
para que tudo regresse à prateleira certa 
e de manhã a poeira nos vista 
tranquilamente 
como um hábito 

e foi por isso que nessas noites morri muitas vezes 
enquanto as secretas palavras de adeus alastravam 
pela foz do teu desejo 
e a minha pele se despia 
vagarosamente 
da tua 

(Alice Vieira in "Dois Corpos Tombando na Água" Pág.85) 

10 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Um poema a um amor ausente.
Bjs, bfds

António disse...

Que maravilha!

Pedro Luso de Carvalho disse...

Olá, Menina Marota!

Resta-nos agradecer pela partilha, querida amiga. Com esta postagem conheci esse belo poema da obra da poeta talentosa Alice Vieira.

Gostei muito do poema "Amor e Outros Crimes em Vias de Perdão". Um belo poema.

Um bom final de tarde e uma boa noite, Menina Marota.

Um beijo.

Pedro

" R y k @ r d o " disse...

Poema de uma doçura encantadora. Parece uma mensagem do coração para outro que está ausente. Será?

Delicioso de ler

Uma Páscoa feliz

Tais Luso de Carvalho disse...

Lindo e terno poema, amiga, estamos com necessidade de ler coisas boas, bonitas. O mundo está em sofrimento, mas tudo passará e voltaremos mais fortalecidos, mais humanos, mais ternos.
Um beijo, cuide-se!

Luiz Gomes disse...

Bom dia tudo bem? Procuro novos seguidores para o meu blog. Posso te seguir também. https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

Se você me seguir manda o link para o meu blog que eu te sigo de volta.

Graça Pires disse...

Confesso que fiquei surpreendida quando a Alice Vieira começou a escrever poesia, habituada que estava aos livros juvenis que os meus filhos leram. Mas estou rendida. Tenho os livro de poesia dela e sou fã incondicional. Que bom encontra-la aqui, MM.
Uma boa semana minha Amiga.
Um beijo.

Luiz Gomes disse...

Boa tarde tudo bem? Eu procuro novos seguidores para o meu blog. Eu também posso te seguir. https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

Você vai me seguir enviar ou link ou meu blog que eu te sigo de volta.

vieira calado disse...

Bonito, sua marota!

Saudações poéticas!

© Piedade Araújo Sol (Pity) disse...

MM

Sou fã da Alice Vieira e da sua poesia.
tenho esse livro dela e não há um único poema que eu nao goste.
uma boa partilha.
beijinhos
:)