quinta-feira, março 31, 2016

Foi num Domingo de Páscoa...

Foi num Domingo de Páscoa que partiste. 
Parece que foi a semana passada e já faz dois anos. Não interessa o mês. O dia. Foi no Domingo de Páscoa e assim, até ao meu fim, o recordarei. 
Nada foi esquecido. De entre dor e sofrimento também houve momentos de grande felicidade.  
Dizer que esqueci o mau, era estar a mentir. Mas relembro, sobretudo, os dias bons. O amor que nos uniu. A nossa cumplicidade. 
O riso que entoava dentro de nós.  A felicidade que sentia quando te sentia bem.
Partiste de repente.  E não consigo recuperar dessa partida.
Há quem diga que as redes sociais não são para desabafos. 
Não fica bem mostrarmos a nossa sensibilidade, em suma, a nossa fraqueza.
Que importa isso?  
Sou como sou e não me importa o que os outros pensem. 
Preciso de soltar a minha alma. Especialmente nestes momentos. 
Quem me ouvirá nestes dias que acordam cinzentos? 
A quem dizer dos sentimentos controversos que me abalam em dias de tempestade espiritual?
Contigo, sofri, chorei, mas também tivemos belos momentos que tento preservar. 
Não porque partiste. Mas porque sou assim mesmo. Nos catorze anos da tua doença nunca te abandonei. Mesmo nos momentos de maior sofrimento não abandonei o barco. 
Fui boa capitã, não fui? Era assim que me chamavas, naqueles dias de bom humor que tanto me faziam sorrir.
O dia acordou cinzento. Tal como a minha alma.
Tu partiste no Domingo de Páscoa. 

E depois de todas as tempestades que nos assolaram é assim que NOS quero recordar.  
Estejas onde estiveres, recebe o meu sorriso.



15 comentários:

Lirio Selvagem disse...

Que lindo... fiquei tão comovida...
E lembrei de mim... dói demais.
beijinhos

Menina Marota disse...

Grata pela visita, Lirio. E pelas palavras.
Beijinho e bom fim de semana

Evanir disse...

Minha Querida...
Obrigada pelo comentário no meu blog confesso
não conhecia a poetisa .
Vou postar ainda hoje o poema deixado por si já fui conhecer mais poemas dela.
Como é bom esse mundo infinito sem fronteiras dos nossos blogs viajamos mundo afora.
Obrigada .
Um feliz final de semana .
Evanir.
Logo mais vou postar..

Vera Lúcia disse...


Olá Menina Marota,

Não pude deixar de ler o seu texto com emoção. Há menos de dois anos perdi a minha mãe e não há um dia em que ela não surja em meus pensamentos. A dor da perda de um ente querido resultará sempre num processo doloroso e somente o tempo e as boas lembranças acalmarão o coração e suavizarão a saudade. E o dia desta perda, quando recai numa data especial do calendário, fica especialmente marcado em nossas lembranças. Minha mãe também partiu num dia histórico por aqui, pois foi no dia da decisão da copa do mundo, quando o meu Brasil saiu 'humilhado' do campo.
Penso que as redes sociais são de grande valia em momentos de dor. O carinho e suporte que recebemos nestes momentos, dos amigos virtuais, são muito importantes e afagam nossos corações.
Você fez tudo que esteve ao seu alcance, mas a vontade divina é soberana. Somos impotentes diante da morte. Resta exaurir a sua dor, não se entregando a ela, pois isto poderá resultar numa depressão. A vida continua. Guarde os momentos bons, que alimentarão a sua saudade, e siga em frente, pois muitas alegrias poderão estar à sua espera na próxima esquina da vida.

Fique bem!

Beijo.

heretico disse...

um texto muito belo. e uma homenagem sensível

beijo, minha amiga

POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

Lindo e expressivo texto. Parabéns

Gracita disse...

Muito comovente e expressiva a sua recordação e saudade Menina Marota
Fiquei muito feliz com a sua visita e espero que volte outras vezes
Gostei do seu cantinho, da sua forma sincera de falar da sua dor
Um lindo final de semana
Beijos

Graça Pires disse...

Uma homenagem muito sentida. Você foi e é uma mulher-coragem, amiga. Um texto muito comovente.
Um grande beijo.

Jaime Portela disse...

A partida dos que amamos é sempre dolorosa.
Um texto comovente, mas que é simultaneamente uma bela homenagem.
Bom resto de semana, querida amiga.
Beijo.

Odete Ferreira disse...

Não escreverei muito pois tudo o que é importante dizer está contido neste teu emotivo texto. A perda dos que muito amamos nunca se supera, mas é preciso transformá-la com a atitude subjacente no texto e na foto. Quanto à dor, ela será sempre solitária; contudo, partilhar é sempre um momento de catarse.
Bjo
(Obg pela presença no meu humilde espaço.)

Elvira Carvalho disse...

Um texto tão sentido e emotivo que nem me atrevo a comentar.
Deixo apenas um forte abraço.

manuela barroso disse...

Os dias serão todos iguais. Mas nem todos os dias são dias de Páscoa.
Neste percurso terreno, há montes e prados. Tortuosidades nos caminhos.
Mas o córrego que nos leva a um oásis de paz acalenta a alma, mergulhando-nos num estado de abandono e bem-estar. Tudo fez. Continue a Sorrir, por favor, querida amiga Otília!
Beijinho! :)

Tomás disse...

Siempre es bueno recordar a los que perdimos por el camino y olvidando los malos ratos que se pudieron pasar juntos los buenos siempre sobreviven.

Saludos.

Menina Marota disse...

Grata a todos pela presença e, acima de tudo, pelas mensagens que aqui me oferecem.
Não é fácil responder. Os sentimos são uma bomba dentro de mim e explodem com facilidade. As vossas palavras são um estimulo(que tantas vezes preciso) para a minha libertação interior.
Grata por aqui estarem.

Um grande abraço.

Manuel Luis disse...

Também penso assim. O importante é que te sintas bem com a tua atitude.
Admiro o teu sentimento.
Bj