segunda-feira, dezembro 07, 2015

Graça Pires


Um final de tarde memorável. 
Uma apresentação brilhante de Lídia Borges.
Um livro para ser lido devagar e com o coração.
A simpatia e a serenidade comovida de Autora tornou ainda mais bonito o momento.
"Tarde de afectos e de reencontros. Poesia em carne e osso.", nas palavras de  Virgínia Do Carmo sobre a apresentação, no Porto, de UMA CLARIDADE QUE CEGA, de Graça Pires, na passada sexta-feira, 4 de Dezembro.

Grata a todos

Traço na areia uma linha em movimento 
de onda e rodo sobre mim mesma
quando as marés me bailam nas ancas.
Esta dança é em mim errática sedução.
O interlúdio da seda perfumada
em que me envolvo.
O jogo sensual no chão do peito,
como grito erguido sobre a língua.
Vem, cadência da música!
Suspende o silêncio que escorre
em pausas onduladas como água.
Encena-me em rituais profanos.
Acrescenta-me à partitura 
ou ao gesto ensaiado e cerzido
nas rugas do meu corpo.
Vem e desliza inteira no êxtase da luz!

de Graça Pires, em "Uma claridade que cega”
 a págs. 13


4 comentários:

Graça Pires disse...

Obrigada minha querida amiga pela divulgação.
Obrigada também por ter estado ao meu lado nessa tarde tão calorosa.
Um beijo.

Mar Arável disse...

bjs às duas
A Graça sempre

© Piedade Araújo Sol disse...

um beijo às duas que eu admiro e muito.
:)

Menina Marota disse...

Meus Amigos,
grata pela vossa presença e palavras.
Deixo um abraço
Otília