terça-feira, abril 14, 2009

Sou quem sou...


Pintura de Cristiane Campos



Nada direi de ti,
nem um só pensamento.

Num assomo, lentamente,
meu peito desgasta-se de palavras
que se repetem textualmente

pacientes, de toda a matéria que
se pressente para lá do que se não vê,
nem se imagina.

Entreaberto, como uma janela, meu coração
vislumbra o ocaso, em fragrâncias
de pétalas por entre caminhos
etéreos percorridos de mão em mão.

Sou quem sou.

Nesta forma de ser
não há espaço para intervalos
passeados entre os sentimentos
de olhos que nada vislumbram
nas profundezas da alma.

Rasgo meus sentidos e
abro a janela de sensações flóreas
para lá de todos os laivos de vida
que se sentem nas marés perdidas.

Hoje nada direi de ti.

Porque as palavras estão caladas
sossegadas, no fundo da alma,
e aí permanecerão.

31 comentários:

Jorge disse...

Suberbo poema, sentido e soberba pintura a condizer :) Jorge

aminhapele disse...

Gostei muito.
Um abraço.

Graça Pires disse...

"Nada direi de ti"
E disse tudo com as palavras caladas, rigorosamente sentidas.
Poque é quem é. Belíssimo, o poema, MM. Um grande beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

o teu poema é um cair de sentires guardados...

está muito bem construído.

fica um beij

Manel do Montado disse...

Li e reli o que nada queres dizer. O som desta música calma, o relembrar da tua voz associada às palavras que aqui deixas… que momento!
O buscar de calma para uma alma inquieta, gasta de emoções negativas e que aqui, a espaços, encontra um pouco da paz que almeja.
Vénia e beijo.
A pouco e pouco retorno a um mundo que deixei há tempos. Breve, muito breve, voltarei.

Anónimo disse...

As tuas palavras tão sentidas!!!!
Que mais posso dizer-te? AMO a tua poesia!! AMO!
Beijão da
SU (não esqueci o dvd mas emprestei-o a uma amiga. Magnifica a voz dele)
kiss kiss
0_0

Anónimo disse...

... e logo hoje que gostava de ouvir de si qualquer coisa. Sou um infeliz.
lp (repare bem, o famoso lp!)

Menina_marota disse...

Só o lp para me fazer rir!

Eu sei a música que quer... e vou colocá-la em sua honra... mas não é para virar "discos pedidos," está bem? Porque então não consigo sair do pc... ;)

Grata pela presença e já agora agradeço igualmente a TODOS, os comentários que têm deixado mesmo durante a minha ausência.

Um abraço carinhoso

Maria Clarinda disse...

Foi tão bom, chegar aqui e ver que voltaste a escrever....a postar...a partilhares os teus poemas lindos...a sentir a tua presença no meu dizendo...tenho saudades de ti conchinha!
Gostei imenso deste.
Jhs muitos

meus instantes e momentos disse...

lindo poema. Parabens .
Muito bom teu blog.
Gostei daqui.
Maurizio

aflores disse...

E quem assim é...

:)

Amaral disse...

Belo o teu poema, menina!
Depois de algum tempo, é bom voltar a ler tudo aquilo que tão bem escreves.
"Sou quem sou" vem da verdade... e do sentir, também!

jorge vicente disse...

e aí permanecerão, bem no fundo da tua alma, amiga.

mas como aquilo que permanece, voa pelos prados, elas voam e florescem para quem as apanhar!

um grande abraço
jorge vicente

A.S. disse...

Mais uma belissima composição poética!


Respiram-se as palavras entre si
como sombras perdidas do que não dissemos...
estamos por dentro das palavras,
dizendo-nos, de facto, quem somos!


Beijos...

Luis Eme disse...

não precisas de dizer...

abraço MM

Mar Arável disse...

O silêncio

fala mais alto

Aguimas disse...

Que delicia

observatory disse...

bonito

a vida precisa e nós lá vamos acrescentando

Anónimo disse...

DELÍRIO

A flor maravilhosa dos teus lábios
oferecendo-se voluptuosa
à fremência dos meus beijos;

A tua voz ciciada
Sugerindo lânguidos desmaios;

A carícia deliciosa da tua mão
Percorrendo,
leve,
os contornos do meu rosto,

Desfraldaram nos meus sentidos
a bandeira rubra dos desejos
que dificilmente pude conter.

E senti,
oomo só tu poderias fazer-me sentir,
no mais íntimo do meu ser,
uma impaciência febril
a exigir que o meu corpo
se fundisse logo ali com o teu.

E que ambos, como um só,
vivessemos enlouquecidos
em êxtases de delírio,

Vibrações de cristal,
hinos de luz,
aleluias de cor
espirais de prazer

Num turbilhão caleidocópico,
num vórtice de loucura
onde,
deliciosamente,
nos deixássemos afundar para sempre

Meg disse...

Menina Marota,

Depois de ler mais este teu poema, sou eu que digo que as palavras ficam caladas perante tanta beleza.
O teu blog é um lenitivo para a alma, Menina...

Bom fim de semana.

Um abraço

Silent Raven disse...

Lindíssimo...

Anónimo disse...

Gosto da poesia que aqui se escreve. Por isso venho cá de vez em quando.
Mas gosto também dos comentários: parecem-me uma teia urdida de subentendidos onde se escondem segredos, interesses e recados....

João Sadino

Carlos Barros disse...

Olá, desculpa a ausência, mas...
este é cá para baixo mas para o próximo mês será ai em cima no Guarany, mas aqui fica se por acaso por aqui estiveres:

A Fronteira do Caos Editores e o autor convidam Vossa Excelência para a sessão de lançamento do livro, O Ladrão de Livros da autoria de Carlos J. Barros, a ter lugar no próximo dia 25 de Abril pelas 18 horas, na Livraria Alêtheia. A apresentação pública do livro será da responsabilidade de Paulino Coelho.

Beijo grande

croqui disse...

muuuiiito bom!
parabéns!

Jaime A. disse...

Ser quem é... as palavras sossegadas...
O silêncio como resposta...
Adorei

Anónimo disse...

Somos uma nova editora interessada em talentos poéticos com o alto valor do conteúdo que apresenta nas suas páginas por isso permitimo-nos enviar-lhe um email de condições que espero possa ler porque não é brincadeira. Os nossos emails estão a ser devolvidos por esse motivo resolvemos hazer aqui uma nota explicativa.
Cumprimentos,
A.Rocha

Å®t Øf £övë disse...

Sermos nós mesmos nem sempre é facil. Talvez por isso eu dê um enorme valor a quem se consegue sempre mostrar como realmente é, sem qualquer tipo de subterfugios.
Bjs.

Anónimo disse...

Com estes poemas de Camões bom fim de semana, vou lendo e alimentando mi alma com todos os seus poemas ,uma beleza. beij.


A.H.


Quem diz que Amor é falso ou enganoso,
Ligeiro, ingrato, vão desconhecido,
Sem falta lhe terá bem merecido
Que lhe seja cruel ou rigoroso.

Amor é brando, é doce, e é piedoso.
Quem o contrário diz não seja crido;
Seja por cego e apaixonado tido,
E aos homens, e inda aos Deuses, odioso.

Se males faz Amor em mim se vêem;
Em mim mostrando todo o seu rigor,
Ao mundo quis mostrar quanto podia.

Mas todas suas iras são de Amor;
Todos os seus males são um bem,
Que eu por todo outro bem não trocaria.

Luís de Camões

Artista Maldito disse...

Obrigada, Menina Marota, também lhe desejo um EXCELENTE 25 de ABRIL:)

Beijinhos com o sol radioso desta manhã,
Isabel

Maria Teresa Lopes disse...

Poema muito bonito, Menina, poucas palavras e muito a dizer, numa sonoridade permanente, marca de quem sabe escrever. Vou pô-lo no meu blogue. Posso? Já pus! :)

bj

Mei

VFS disse...

ser o ser

... em silêncio.

Belo poema!