segunda-feira, abril 16, 2007

Os Olhos do Poeta...

O Eternamente Menina é um outro meu "refúgio" com uma característica muito pessoal e pelo qual nutro um especial carinho.
Foi com surpresa que recebi a notícia de que o Eternamente Menina tinha recebido um simbólico prémio do blogue do
Ruvasa que me deixou muito feliz e por isso quero aqui partilhar essa alegria, agradecendo desde já ao Ruvasa tal distinção.
Tem um outro pormenor mas que só mesmo no
Eternamente Menina saberão…


O poeta tem olhos de água para reflectirem todas as cores do mundo,
e as formas e as proporções exactas, mesmo das coisas que os sábios desconhecem.
Em seu olhar estão as distâncias sem mistério que há entre as estrelas,
e estão as estrelas luzindo na penumbra dos bairros da miséria,
com as silhuetas escuras dos meninos vadios esguedelhados ao vento.
Em seu olhar estão as neves eternas dos Himalaias vencidos
e as rugas maceradas das mães que perderam os filhos na luta entre as pátrias
e o movimento ululante das cidades marítimas onde se falam todas as línguas da terra
e o gesto desolado dos homens que voltam ao lar com as mãos vazias e calejadas
e a luz do deserto incandescente e trémula, e os gestos dos pólos, brancos, brancos,
e a sombra das pálpebras sobre o rosto das noivas que não noivaram
e os tesouros dos oceanos desvendados maravilhando com contos-de-fada à hora da infância
e os trapos negros das mulheres dos pescadores esvoaçando como bandeiras aflitas
e correndo pela costa de mãos jogadas pró mar amaldiçoando a tempestade:
- todas as cores, todas as formas do mundo se agitam e gritam nos olhos do poeta.
Do seu olhar, que é um farol erguido no alto de um promontório,
sai uma estrela voando nas trevas
tocando de esperança o coração dos homens de todas as latitudes.
E os dias claros, inundados de vida, perdem o brilho nos olhos do poeta
que escreve poemas de revolta com tinta de sol na noite de angústia que pesa no mundo.

(Manuel da Fonseca in "Os olhos do Poeta")

É com alegria no coração que menciono o Poesia Portuguesa que também mereceu a atribuição do Award Thinking Blogger

6 comentários:

lobices disse...

...o olhar do poeta...
...um beijinho

Graça Pires disse...

Parabéns pela distinção do "Eternamente Menina".
Também gosto muito deste poema do Manuel da Fonseca. É uma bela definição do olhar do poeta,(do olhar dele...), sensível e generoso como era.

alice disse...

e que melhor presente poderia receber no regresso de tão bela viagem? os meus mais modestos parabéns pela distinção mais do que merecidíssima. beijinho grande.

Kalinka disse...

MENINA_MAROTA
hoje tive o prazer de receber a tua visita no kalinka, escreveste:
...E afinal estavamos tão perto uma da outra e só um sorriso tímido trocámos, não foi??

não foi não...
realmente estavamos na mesma mesa, só que em lados opostos e, eu estive todo o tempo a pensar a melhor forma de te abordar e, no fim, já de pé, de saída para a porta, abordei-te e disse que eu sou muito tímida e nunca deixava comentários no teu blog, mas um dia, recebi um comentário teu e aí senti a «luz verde» para avançar...
depois parámos a conversar com um dos organizadores do jantar, o Jo do blog «Recordações do Baú» e fiquei sabendo que vocês tinham vindo propositadamente do Porto.
Sou «cheinha» e de óculos, já te lembras quem sou?

Beijinhos.

Anónimo disse...

desconhecia por completo este poema do Manuel da Fonseca muito bonito mesmo. cheguei aqui através de um outro blog e vinha saber quem és. fiquei maravilhado com tudo.
Kissss do Pinto de Carvalho

João disse...

tinta de sol, de ternura e de vida
com que os teus olhos pintam palavras e criam poesia