terça-feira, junho 27, 2006

Mãe, fui assaltado...

… é uma frase que, quem a ouviu dizer pela boca do seu próprio filho, sabe o sentimento que ela causa…

Numa altura que através dos órgãos de comunicação social, se sabe que um ex-elemento das forças de segurança é preso, por suspeita de assassinato, de pelo menos três jovens, ela poderá ter um significado muito menor…

Todos os dias temos conhecimento, de mortes, assaltos, maus-tratos, violações…

Todos os dias temos conhecimento dos mais variados tipos de criminalidade…mas, sinceramente, nunca estamos preparados para ouvirmos dizer:

- Mãe, fui assaltado…

Olharmos o rosto pálido do nosso filho, enquanto nos diz… apontaram-me uma pistola à cabeça e roubaram-nos tudo…

E recordo aquele dia, em que ele num espaço de trinta minutos foi assaltado duas vezes, chegando de lábio rebentado, meio nu e quase a chorar…

- Mãe, fui assaltado…

O primeiro assalto ainda não foi solucionado, não obstante se ter fornecido a matrícula do veículo que transportava os assaltantes.

E, novamente um grupo de oito adolescentes é assaltado, mas desta vez, com recurso a uma arma de fogo, roubando-lhes tudo de valor que possuíam.

No decorrer da queixa apresentada, constatámos que outros dois adolescentes tinham sido pelo mesmo trio, meia hora antes, assaltados. Para além de os roubarem, agrediram um deles violentamente com a coronha do revólver, por se ter manifestado contra a atitude dos assaltantes.

Estes assaltos foram perpetrados numa noite que poderia ser de festa, mas não foi: a noite de S. João, ficou manchada para alguns, que saíam a primeira vez sozinhos, sem os respectivos Pais…

Não sou racista, nem xenófoba, acredito sinceramente, que todos têm direito à vida, ao emprego, à integração social, seja qual for a sua nacionalidade, só não consigo desculpar nem compreender, que se mate, que se roube, que se viole, que se pratique todo o tipo de criminalidade, e que se tente arranjar desculpas, para se justificar esses crimes.

Morrerem três jovens, barbaramente assassinadas e vejo num canal televisivo, um debate a tentar justificar a atitude de um “louco” assassino…

Basta!

Que se respeite a memória de quem sofreu tais atrocidade! Que se respeite a dor dos seus familiares!

Que se faça JUSTIÇA!

23 comentários:

Joe Nunes disse...

E eu faço uma pergunta: temos justiça no nosso país?
Temos uma comédia à portuguesa que se passeia pelos canais televisivos, encenando desculpas para no prenderem violadores, marginais, e toda uma série de corrupção que grassa por este país, onde os apitos dourados abundam e os violadores das crianças da casa pia se passeiam pelos ecrans de televisão, causando-me vómitos de cada vez que os encaro.
peço desculpa por este comentário, mas a indignação toma conta de mim.
Estou contigo. Faça-se JUSTIÇA!!!

Cpm do

J. N.

Miguel disse...

Que se faça JUSTIÇA ...!
No minino!

Bjks da Matilde

Bernardo da Maia disse...

Basta! Chega de hipocrisia dos politicos que tanto prometem e na pratica nada fazem.
O problema nestes casos é do proprio sistema judicial que no nosso país ainda não se adaptou ao Mundo actual.
Basta das burocracias e das falsas moralidades.
Dêem de novo a autoridade e chefia a pessoas especializadas e não a tachos e panelas.

Daniela Mann disse...

Concordo, concordo, concordo!
Também sou mãe e sou afligida pelos mesmos receios. É preciso por termo a estas situações! Desculpar uma pessoa por causa da côr, ou da nacionalidade é que é racismo, porque estamos a fazer deles coitadinhos, ou não é assim? Às tantas parece que tenho que pedir desculpa por ser portuguesa, no meu próprio país!
Um abraço amigo

Sulista disse...

Amiga,
Olha, passa por aqui qd puderes:

http://www.estudioraposa.com/
(o audioblog de Luís Gaspar)

...vais adorar!

BEijinho Grande e dá notícias ;-)

Anónimo disse...

Concordo contigo, ja passei por essa experiencia com meu filho mais velho, felizmente não houve agressão, apenas ficou sem bens materiais. Concordo com o Bernardo, mas vou ainda mais longe, introduzia a pena de morte, para os crimes de sangue, a castraçao quimica para os violadores, e deixem-se de desculpas de que é doente mental para não ter o devido castigo...Chamem-me radical, chamem-me o que quiserem, o que é um facto é que cada vez mais a insegurança é maior !!

Confissões disse...

Infelizmente vê-se tudo por aí.. e este caso foi muito chocante. Não falei sobre este caso.. pois nem o assassino merece tanta popularidade.

rouxinoldebernardim disse...

Isto está uma autêntica corja. Não sei onde vai parar. Mas há que fazer algo isso há. É uma vergonha o estado a que se chegou.

maresia_mar disse...

Olá minha amiga,
isto é um flagelo que nos nos poderá atingir a cada um de nós. Como sabes o meu filho também já foi assaltado, há cerca de 2 anos, às 3h da tarde numa rua movimentada, e com uma navalha apontada à barriga, eu sei o que isso é, como mãe sofri horrores e por isso sei o que estás a sentir. Tem que se fazer algo, já que a policia parece não conseguir fazer! Bjhs e força

Isabel-F. disse...

Olá querida amiga....

Estou absolutamente de acordo contigo... e assino por baixo...

e continuo a dizer que as penas são muito suaves no nosso País...
sou contra a pena de morte...mas por vezes fico-me a pensar se em certos casos ela não seria realmente necessária???

Beijinho com carinho

augustoM disse...

É a brutal sociedade em que vivemos, é o homem no seu melhor, a criminalidade. Quando temos conhecimento das as trocidades cometidas, legais ou não, é o que define a criminalidade, devemos estar preparados para todas as eventualidades, pois os autores de tais atrocidades, vivem entre nós.
Um beijo. Augusto

Sulista disse...

Faça-se Justiça sim Amiga!!

Grande Beijinho

ps- já te escrevi.

Yardbird disse...

Querida Amiga, sabes que cada vez mais me parece que é mais importante defender os direitos dos criminosos que os dos que são violentados?
E o pior é que tais movimentos são apoiados por individualidades que se deviam preocupar com a segurança dos que votam neles, e não com os que prevaricam. Mas pelos vistos, defender essas tais minorias (e aqui, com minorias quero significar tão só os bandidos, e não a raça a, b ou c) rende. Não sei o quê, mas parece que rende.
Beijinho cheio de saudades

lique disse...

Parece que todos concordamos que algo anda mal com a justiça, neste país e não só. Ver um filho sofrer uma experiência traumatizante é sempre terrível, concordo. O meu medo são as generalizações e algumas ilações que certas pessoas se prontificam a fazer. Não falo de ti, acho que te conheço o suficiente para entender o que te motivou a escrever.
Quanto à questão dos assasínios das jovens, é infelizmente algo que acontece em todos os países. O nosso tem até uma baixa taxa desse tipo de criminalidade. Há é que estabelecer claros critérios de imputabilidade que são sempre baseados na capacidade da pessoa que pratica o crime ter ou não consciência clara do que fez. Isso compete aos especialistas, ou não será? É que senão, fazemos justiça pelas nossas mãos. O que talvez alguns queiram, mas não é apanágio de sociedades civilizadas.
Beijinhos

Heloisa B.P disse...

"- Mãe, fui assaltado…

Olharmos o rosto pálido do nosso filho, enquanto nos diz… apontaram-me uma pistola à cabeça e roubaram-nos tudo…

E recordo aquele dia, em que ele num espaço de trinta minutos foi assaltado duas vezes, chegando de lábio rebentado, meio nu e quase a chorar…

- Mãe, fui assaltado…

O primeiro assalto ainda não foi solucionado, não obstante se ter fornecido a matrícula do veículo que transportava os assaltantes.

E, novamente um grupo de oito adolescentes é assaltado, mas desta vez, com recurso a uma arma de fogo, roubando-lhes tudo de valor que possuíam.

No decorrer da queixa apresentada, constatámos que outros dois adolescentes tinham sido pelo mesmo trio, meia hora antes, assaltados. Para além de os roubarem, agrediram um deles violentamente com a coronha do revólver, por se ter manifestado contra a atitude dos assaltantes.

Estes assaltos foram perpetrados numa noite que poderia ser de festa, mas não foi: a noite de S. João, ficou manchada para alguns, que saíam a primeira vez sozinhos, sem os respectivos Pais…

Não sou racista, nem xenófoba, acredito sinceramente, que todos têm direito à vida, ao emprego, à integração social, seja qual for a sua nacionalidade, só não consigo desculpar nem compreender, que se mate, que se roube, que se viole, que se pratique todo o tipo de criminalidade, e que se tente arranjar desculpas, para se justificar esses crimes.

Morrerem três jovens, barbaramente assassinadas e vejo num canal televisivo, um debate a tentar justificar a atitude de um “louco” assassino…

Basta!

Que se respeite a memória de quem sofreu tais atrocidade! Que se respeite a dor dos seus familiares!


Que se faça JUSTIÇA!"
-------------------------MINHA QUERIDA AMIGA*, LI TODO ESTE SEU TESTEMUNHO (simples, coerente e muito bem escrito),ESTA SUA REVOLTA CONTRA A AUSENCIA DE JUSTICA E, ESTOU DE ACORDO CONSIGO EM CADA LETRA, VIRGULA, PONTO FINAL...EM CADA PARAGRAFO DE EMOCAO E REALISMO!
_SEI O QUE E' DIZER:"MAE, FUI ASSALTADO"! E, SEI O QUE E' TEMER, DE CADA VEZ QUE O TELEFONE NAO TOCA E O ATRASO JA' E' DE CINCO MINUTOS!!!!_FELIZMENTE, PARA MIM< E MEUS FILHOS, NAO FOI ASSIM DE TANTA GRAVIDADE, MAS FOI DE TEMER_TEMO AGORA, MAIS EU, DO QUE ELES QUE TEM O ARROJO DA JUVENTUDE! MAS, CONTINUO TEMENDO, PELOS MEUS FILHOS, NETOS, PELOS SEUS FILHOS,PELOS FILHOS DE TODOS OS AMIGOS E...ATE' DOS QUE NAO CONHECO_TEMO PELO ESTADO CAOTICO DOS DIAS QUE VIVEMOS E DOS QUE ESTAMOS PARA VIVER!
_LIBERDADE SIM, BEM, DE PRECIOSIDADE NAO CONTABILIZAVEL, MAS..."LIBERDADE" (PENSO EU...) NAO E' SINONIMO DE BARBARIDADE, LIBERTINAGEM E DESRESPEITO TOTAL, POR QUALQUER VALOR QUE DIGNIFIQUE O HOMEM COMO SER HUMANO!
_A LIBERDADE E' DE DIREITOS E DEVERES E, UM DOS DEVERES E' RESPEITARMO-NOS UNS AOS OUTROS RESPEITANDO E ACEITANDO AS NOSSAS DIFERENCAS E O DIREITO QUE CADA UM DE NOS TEM DE USAR DESSA PRECIOSA LIBERDADE COM DIGNIDADE E...*VIVO*!_SEM ATENTADOS A SUA INTEGRIDADE FISICA E MORAL!!!!
BEIJINHOS!
E...ESTOU CONSIGO "EM GENERO E NUMERO",como soi dizer-se!
QUE ESTEJA BEM E, SUA FAMILIA TAMBEM (FAMILIA E AMIGOS!)!
Heloisa.
*************(perdoe as maiusculas, mas, para alem de ja' ser "um vicio"...quando me emociono, simplesmente, me esqueco de deixar de pressionar a tecla das MAIUSCULAS!_PERDOE E PERDOEM OS SEUS VISITANTES!).
**********************************

batista filho disse...

Em toda e qualquer situação de violência, principalmente contra os nossos entes queridos, é como se nos fosse tirado o chão. E num momento assim, quase toda palavra de consolo se nos afigura vã. É como se fossemos só nós e nossa dor ou indignação - perdidos no mundo. Amiga, donde estou peço ao Pai de todos que vos ilumine.

pitanga disse...

Creiam custa-me muito falar desse assunto mas não poderia deixar de dar meu apoio a essa mãe indgnada com a inversão de valores que assola a nossa sociedade. Os direitos humanos são sempre para os criminosos, as mais mirabolantes desculpas são apontadas para os delitos. A mais comum é a privação de saúde mental.
Vemos na televisão senhores muito bem intencionados porém com seguranças particulares a segui-los até no banheiro. Seus carros já são blindados e nós pobres mortais temos que ouvi-los dissertar sobre as desigualdades sociais. Somos nós quem fazemos o país,quando criamos nossos filhos dando-lhes, não luxo, mas atenção e respeito para que respeitem mais tarde. Sempre me pergunto onde estão os pais de menores e adolescentes que nos abordam nos sinais de trânsito,ou para pedir ou para assaltar ou até para matar? Onde estão? De onde vieram essas crianças? Tiveram que nascer de alguém. Porque cabe a mim (a dita sociedade, que é culpada) cuidar delas? O bla bla bla de que a longo prazo, com educação e lazer dirigidos... o longo prazo já se foi. Precisamos de medidas agora. Mas o diabo é que sempre é ano de eleições ou para governador, vereador,presidente etc e medidas radicais não dão voto e os marginais e seus doze irmãos também votam e aí cabe a nós,mães, rezar cada vez que o filho sai de casa e só respirar de novo quando ouve o som das chaves na porta.
PS Não entrem nessa utopia de mãoszinhas em forma de pomba da paz, é o maior atrazo de vida.Os criminosos não sentam na calçada e choram quando vêem as camisetas com o símbolo. A ação da lei dura, sem perdão para casos hediondos é a solução, mas aí como cá falta vontade política.
Perdoem-me se me estendi e as vocês mães de Portugal um grande beijo da pitanga.

A Rapariga disse...

Não tenho palavras!
Beijo

azurara disse...

"... um debate a tentar justificar a atitude de um “louco” assassino…"

É a nossa triste sina, Marota. Neste país, qualquer barbaridade tem de ter uma qualquer justificação rebuscada, de preferência, nos recantos das sociologias. E, pior que tudo, a responsabilidade é quase sempre "nossa", dos cidadãos que não "deram a mão" ao triste coitado que se viu obrigado a recorrer a "outros meios".
Triste sina!!!

Maria Clarinda disse...

100%contigo!!!!O meu filho já foi assaltado em plena luz do dia, no rossio, quase violado...e ninguem, mas ninguem fez nada para acudir aos gritos(ele já tinha 18 anos), e sei o trauma que foi, as sequelas que deixou!!!! e nada, foi feito!
Jinhossss

lena disse...

doce menina, não posso estar mais de acordo contigo,

gostava que esse "BASTA" se ouvisse por Portugal inteiro

infelizmente não à justiça neste País , que escolhi para viver

um grito de revolta: o meu !


beijos para ti menina linda e um abraço onde vai a minha solidariedade

lena

Eduardo Leal disse...

O ser humano é isto!
Queiramos ou não a nossa caminhada como espécie para um homem melhor está longe de se cumprir.
Eu acredito que vale a pena lutar por uma sociedade mais justa.
Acredito na urgência de uma globalização da justiça social, bem contra a tão propalada globalização económica.
Sem ela, todos os indivíduos sem escrúpulos que se sentam no poder, mais não fazem que semear novas formas de racismo e xenofobia.

O mundo melhor não será de certeza numa só cor... num só tom... falado apenas numa língua...

O mundo melhor em que eu acredito não pode ter violência gratuita nem provocada por fracturas sociais como as que testemunhamos.

É horrível saber que a violência chega aos nossos filhos (também já tive essa experiência) e é o momento ideal para pensarmos sobre a violência que, diariamente, se abate sobre os filhos dos outros, de norte a sul, mas sempre, sempre mais a sul.

Manel do Montado disse...

Já se interrogaram que se a justiça está assim a culpa primeira é nossa?
- É dos que votam porque elegem deputados para a AR e não lhe pedem explicações do mandato conferido.
- É dos que se abstêm porque ao fazê-lo legitimam os poucos que foram votados e não os interpelam sonbre as leis em que colaboram.
- É de todos porque não pedem explicações àqueles que vivendo em gaiolas douradas, não se aprecebem deste estado de coisas.
Um dia haverá um crash social, é inevitável e lamento pelo que acontece aos nossos filhos e por eles.
Fica, se possível, bem.