quarta-feira, julho 29, 2020

Dança



A caixinha de música continuava a tocar. Enlevada a ouvi-la nem me mexia. Sabia de cor aquela música, de tanto a ouvir...
Acordei.


Pintura de Degas


Dança
Contavam-me quando era menina
que, em noites de lua cheia, havia mulheres nuas
junto às fontes dançando ao ritmo da vertigem
das suas ancas, até de madrugada.
Calavam-se os pássaros e o vento.
Convocavam-se lobisomens e cães negros.
E dizia-se que eram bruxas.
Nunca as vi. Mas sonhei ser uma delas muitas vezes.
Graça Pires
in, Caderno de significados, a págs 11

quarta-feira, julho 01, 2020

segunda-feira, junho 15, 2020

Be



Desligar a música do blogue, ao fundo da página, para ouvir o vídeo, p. f.
Obrigada!



sexta-feira, maio 01, 2020

Graça Pires - O seu novo livro


É HOJE no Facebook da Poética Edições - Virgínia Do Carmo

Graça Pires (Figueira da Foz, 1946) editou o seu primeiro livro em 1990, depois de ter recebido o Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores com o livro "Poemas". Depois disso publicou mais de uma dúzia de livros de poesia, muitos dos quais premiados. É licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Nesta obra poética, a 19ª de Graça Pires, que este ano assinala 30 anos de caminho literário, a poeta percorre breves histórias, histórias que conta inevitavelmente recorrendo ao seu jeito poético único, profundo e sempre belo, como memórias que atravessam a sua própria biografia íntima. Este livro segue a linha poética a que Graça Pires nos vem habituando, e que é marcada por um rigor e uma depuração exímia, fruto de uma vida dedicada à palavra.

Poderão encontam o livro aqui 



Secaram as roseiras bravas

cultivadas no atalho da paisagem.
Uma mulher canta roucamente
e o seu canto é um brado
em desavença com a mudez
enraizada na garganta.
Vagarosamente, enrodilha na anca
as vestes de pano cerzido
e afaga seu corpo com as mãos ásperas
como as roseiras bravas.
Tão precário, o perfume das rosas!

sábado, abril 25, 2020

AMOR


Vestiram os olhos com as cores da Primavera e sorriram.
Salpicaram os lábios de sol e soltaram palavras doces.
As festas mais importantes fazem-se do lado de dentro da pele. Tal e qual como as viagens.

de,  Isabel Pires