quarta-feira, setembro 07, 2011

Sentimentos e Sensibilidades...

A morte é uma libertação, dizem.

Do corpo e do espírito; a matéria se dissolve no universo ou, segundo a forma de quem poeticamente a sente, é mais uma estrela que se juntou a todas as outras que iluminam as nossas noites.

A leveza do espírito que nos acompanha é a nuvem branca que nos céus derrama a sua magia e orientação; a fragilidade dos sentidos que leva à comoção na transmutação de todo o sentimento que inclui a dor e desilusão, é um fio tão leve, que tantas vezes transpõe a margem como os rios que a chuva fez transbordar.

É no universo dos sentidos e sentimentos que banhamos a nossa alma, nesse rio imenso condutor das fragilidades humanas.

Mas se a morte é a libertação do espírito e da matéria, viver a vida e os sentimentos de uma forma convicta e positiva, também o é. E o sentimento recolhe toda a sensibilidade que cada indivíduo tem dentro de si, revelando-se em todas as horas do dia, na ciência comportamental perante si e os outros.

Samuel Johnson disse um dia que “A gratidão é um fruto de grande cultura, não se encontrando entre gente vulgar”, onde que no universo dos sentidos a gratidão é o reconhecimento que a par do amor e amizade colhe seus frutos na espiritualidade da comunhão entre os seres.

Ser grato a alguém e mostrar essa gratidão de uma forma pueril a todos, não é humilhação e muito menos demonstração de falta de carácter. O contrário, provavelmente, é que o será.

Há um caminho que temos que percorrer, navegando na forma comportamental que assumimos perante o universo que gere os nossos sentidos; na forma como navegamos nesse universo é que existe a diferenciação que torna cada um de nós únicos.

Saint-Exupéry diz no seu livro O Principezinho: "…Navegar é preciso, reconhecer o valor das coisas e das pessoas é mais preciso ainda”…

É este o valor que me faz continuar a permanecer neste local de grande comunhão e pensamentos, onde cada um revela a forma mais poética dos seus sentidos.
(excerto)




Imagem de autor desconhecido


Releio com curiosidade o fragmento das minhas palavras difundidas num email, o ano passado, quando resolvi manter-me afastada do mundo virtual e que agora serviu de pretexto a pessoa amiga para me perguntar quando regressava “em força” (foram estas as suas palavras) à blogosfera.

Confesso que me surpreendeu a pergunta até porque, não com a frequência de antigamente, fui mantendo os blogues mais ou menos actualizados.

O “projecto” que abracei no Clube dos Poetas Vivos e no meu próprio perfil do Facebook de divulgação de Poesia retiraram-me todo o tempo disponível, nunca esquecendo, contudo, todos os outros locais que me mereceram, sempre, imenso carinho, por isso nunca me retirei completamente.

Os pedidos para regressar à blogosfera na forma da partilha anterior têm sido constantes e leva-me a crer que o internauta se cansou das redes sociais e regressa, aos poucos, aos locais primitivos ou seja à Blogosfera o que me levou a reabilitar o meu primeiro blogue (que tinha abandonado há anos por dificuldades técnicas de postagem) por entender ser essa a forma de corresponder ao anseio daqueles que gostam de Poesia e ao procurar a sua leitura encontram, quem sabe, uma satisfação para a sua alma.

Não sou de promessas fáceis, mas dentro do possível vou tentar corresponder àqueles que procuravam aqui, tantas vezes, uma forma de ler as palavras dos outros, continuando a partilhar aquilo que me vai chegando ou que eu descubro por mim…

Este é e será sempre um local de partilha e são todos bem vindos aqui.

Obrigada.

13 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

fico muito feliz, pela presença mais assídua e muito obrigada, por tudo o que tens dado à Blogesfera e a generosidade com que partilhas os teus textos e dás a conhecer outros poetas.

um beij

MARIUS disse...

Prazer reler-te!! Lembro bem deste texto qd o enviaste e k me impressionou muito pk está repleto de verdades. Considero ato de coragem qd se assume c/ esta força o k se pensa. Bem regressada Menina!!!

Abração desde Brasil. lol

mfc disse...

Fico a aguardar esse regresso prometido.
Não me consigo habituar a essas redes ditas sociais!

Filoxera disse...

Que bom!
E obrigada pelo comentário no Escrito a Quente :-)
Beijinhos.

Carlos Ferreira disse...

Permita-me a MM que faça coro com aqueles que anseiam pelo seu regresso efectivo à Blogsfera, tornando mais activos os seus habituais blogs individuais. A rede social do Facebook onde aplicará parte do seu tempo, não oferece as características pessoais que os seus leitores, como eu, encontram nos seus blogs individuais uma maior proximidade.com a Poeta.
Se me fosse consentido, diria que o Facebook é uma amálgama caótica de dados e registos que tornam a rede desinteressante.
Francamente, os “Poetas Vivos”, não dizem nada a ninguém.
Abraço amigo
Carlos Ferreira

carlos pereira disse...

Excelente texto de grande qualidade.
Obrigado pela partilha.

Maria disse...

Que bom...

Beijo, Otília.

São disse...

É bom que regresses, até porque não aprecio o facebook e pouco o frequento.

Um resto de semana bom.

Anónimo disse...

Considero de extrema incorreção o que o comentador Carlos Ferreira diz no seu comentário sobre os "Poetas Vivos". Desde o início daquela página que lá publico os meus poemas e sempre fui muito bem acolhida. Nunca vi nada dele lá escrito e se não lhe diz nada a ele que não fale por mais ninguém!
Perdõe Menina Marota fazer aqui este comentário mas tinha que o fazer porque tenho lá muitos poetas de quem gosto muito de ler e a este senhor nunca o vi lá.
um beijo no seu coração da
Maria

Graça Pires disse...

Um excelente texto!
Sempre generosa, amiga.
Beijos.

elvira carvalho disse...

Que bom amiga. Sempre encontrei textos de grande qualidade aqui. E isso é algo que tenho que lhe agradecer.
Um abraço

Joana Vasconcelos disse...

faço fila para dizer que ansiava o teu regresso. já disse por correio eletrônico o que este texto me tocou mas mesmo assim quero dizer aqui entre todos que és sempre esperada com toda a saudade de quem te gosta de ler
kissss amiga!!

AnaMar (pseudónimo) disse...

Subscrevo!
E sim, como toda a novidade quando deixa de o ser, passa a cansar (redes sociais:-).........quem se liberta em palavras (como eu) e quem escreve(outros que adoro ler) são os blogues as pontes neste emaranhado de fios e ligaç~es invisíveis que só se sentem. mas ainda bem que existem
beijinhos e continuação de boas escritas