domingo, abril 29, 2007

Momentos...

Está a fazer um ano que a Rita me entrou em casa, ao colo de uma amiga que a tinha trazido directa do Azeitão para este local do litoral nortenho, assustada, carente, maltratada.

Confesso, que me apaixonei de imediato por ela. Aliás, acho que nos apaixonámos uma pela outra. A Rita saltou-me para o colo e não deixou que mais ninguém lhe tocasse. Pouco mais de um quilo pesava e desaparecia completamente nos meus braços, apesar dos seus oito anos de idade.

Fiquei estarrecida ao perceber que fizera aquela viagem e que a tinham oferecido, por não a quererem mais. E lembro-me de ter pensado, "como é possível, alguém querer livrar-se de um animal que esteve consigo durante oito anos?"

Mas a Rita tinha sido oferecida à minha amiga e foi a custo que a tirei dos meus braços, para os braços dela. Não dormi a noite toda a pensar o que estaria ela a sentir (sim, porque os animais também sentem, apesar de muita gente pensar o contrário…) fora do local e das pessoas com quem tinha convivido durante tanto tempo.

Quis o destino que a minha amiga tivesse planeado uma viagem ao Algarve, aproveitando o feriado do 1º de Maio e perguntou-me se eu podia ficar com a Rita enquanto a viagem durasse. Exultei de alegria. Nos dias que se sucederam, a Rita foi a princesa aqui de casa e ela correspondeu com uma doçura tamanha, que até o Sting não se importou de me partilhar com ela. Obediente, dócil, fazia as delicias de quem a via. Até um novo corte de “cabelo” deixou que lhe fizessem, já que o seu aspecto descuidado me mereceu um tratamento super especial.

Quando o telefone tocou, a avisarem-me de que as mini-férias tinham terminado, o meu coração apertou-se. Não a deixei ir nesse dia. Não fui capaz. Mas quando a levei à sua nova casa, foi com lágrimas nos olhos que saí de lá. Acabei por não dormir outra noite. O Sting, com uma imensa tristeza, olhava para a camita da Rita vazia e, choramingava.

Também ele sentia saudades da miniatura, como carinhosamente lhe chamávamos.

Já tarde adormeci, por isso quando o telefone tocou, manhã cedo, dei um salto da cama e corri a atender com um ligeiro pressentimento, quando do outro lado, a voz preocupada da minha amiga, dizia-me que a Rita não estava bem, não tinha comido e tinha chorado a noite toda e perguntava-me o que lhe teria acontecido.

Num ápice, estava na estrada, a galgar os quilómetros que me levaram a um encontro que, ainda hoje, me comove a recordar. A Rita mal me viu, mudou por completo. E quando me baixei para lhe pegar, "lavou-me" literalmente o rosto, aninhando-se no meu colo e não deixou que mais ninguém lhe tocasse.

Bem… a resposta estava ali. A Rita tinha-me escolhido para ser a sua nova dona e assim o entendeu a minha amiga.

Hoje a Rita, tão diferente do dia que aqui chegou pela primeira vez, é uma menina cheia de mimo e que manda no Sting sem cerimónias.

Ele por sua vez, não se importa de partilhar o açafate dos brinquedos com ela, nem os mimos que vou distribuindo a ambos, com todo o carinho que eles merecem.


Esta é a história da Rita e do amor que me une a ela…


Num clik ...Conheçam-na...

20 comentários:

In Loko disse...

Isto está tão enternecedor que me apetecia pegar na Rita miniatura! Teve sorte a cadelita (deduzo que seja cadela), com tantas histórias macabras de maus tratos que se conhece de animais, a mini Rita teve a estrela do seu lado! Abraços Menina Marota...

Anónimo disse...

mas ka giros!! como é mesmo o nome dessa raça? é pena não dizeres!!!
Beijos da Tita

Carlos Ferreira disse...

A autora consegue manter, com a maior regularidade, quatro blogs.

Assemelham-se na sua essência e intenção, mas são todos diferentes na grafismo e na música de fundo, que nos enleia e envolve como a poesia que publica, muita dela da sua autoria.

Parabém pelo bom gosto, pela exoberância da sua produtividade e pela partilha que faz com os seus leitores (dos quais me reclamo dos mais fieis) de tantos e tão belos momentos de emotiva espiritualidade.

Carlos Ferreira

Sulista disse...

Olá Menina
Ehehehehe...a Rita é de facto, o máximo!
Adoro sua cabeleira longa e chiquérrima ;-)
E a vossa história é emocionante e mt bonita!

Olha que o título do filme é a brincar contigo :-D
Agora já não dá para trocá-lo. Era preciso fazer outro filme...Fazer tudo de novo.
Mas é claro que toda a gente sabe que a tua família não é a Rita mas sim os teus filhos e marido e restantes familiares.

...Eheheheheh!!!
Beijinho Grande ;-)

Bia disse...

Bem... para quem tem Ritas na vida sabe bem dar valor ao que "falas"... eu tenho uma Cocas, é o seu nome, é a cadela mais meiga que eu conheço e não é por ser minha :))
Os animais tais como as pessoas entregam-se e percebem quando realmente são amados e a quem querem dar o seu amor...
Parabéns pela Rita é linda mas acima de tudo pelo teu coração de ouro, porque sempre ouvi dizer que quem gosta de animais só pode ser uma excelente pessoa.
Beijinhos

Fuser disse...

adorei...principalmente seu retorno


fuser

Lumife disse...

Já me tinha apercebido que esse coração era enorme...

A sensibilidade que adivinhamos existir em ti é a razão da amizade que a net nos proporcionou.

Bem hajas!

beijos

Vera disse...

A Rita é linda!
Nós temos a mania que escolhemos os nossos animais... mas de facto não é bem assim. Eles escolhem-nos e aceitam-nos.
Parabéns!

Beijinhos

Anónimo disse...

O Chopin ficou com ciumes do Sting :)
Nem vale a pena tentar perceber como algumas pessoas se separam destes amigos , tal como se tratasse de um electrodomestico fora de prazo...:(mas a Rita está ai muito bem , com uma dona muito carinhosa.Já agora onde arranjou aquela fantastica cama que aparece na foto?
Um belo fim de semana para si.
P.S. um destes dias vou propor um programa de ferias que permita trocarmos de amigos enquanto vamos passar uns dias fora.Que tal ? eles ficavam bem e nós descansados!
bjs annie hall do outsider

sofialisboa disse...

tens um coração gigante! mas dar nome de pessoa a cão faz-me cá uma impressão, cão é cão, pessoa é pessoa. mas que os animais são nossos amigos são! sofialisboa

Graça Pires disse...

Foi bom para a Rita encontar uma dona assim...
O que venho aqui dizer-lhe é um muito obrigada pela divulgação do meu poema no seu "Poesia Portuguesa". Estou a encontrar na blogosfera uma certa forma de fraternidade que me comove. Bem haja. Um beijo.

alice disse...

é muito bonito o texto. comovente. só tenho pena de não conseguir ver o filme. a única coisa que aparece é um quadrado vazio... beijinhos.

lena disse...

Menina linda

este teu texto transborda de doçura e carinho

emocionante o que descreves, até eu fui lambida pela Rita

ouvi o ladrar de ciúme e acabei envolvida na sua meiguice

tudo porque o teu coração é lindo, tal como tu, sim és linda por inteiro

tenho pena de não conseguir ver as imagens, embora imagine a Rita, pequenita e bem cheirosa

diz-lhe que a adoro se faz favor

abraço-te com muita ternura, com muito carinho

e hoje quero também deixar beijinhos à meiguinha Rita e beijinhos para ti também

lena

Sulista disse...

Ôi amiga...vim a correr...mas afinal tá a funcionar o teu vídeo da Ritinha :-D

Olha, qd não tiver, é ter pzaciência e esperar umas horas pq o servidor onde tenho as coisas devez em qd fecha para obras...e durante esse tempo, deixa-se de ver ou ouvir as musicasw e filomes que lá ponho...


BeijOca Grande :-)

azurara disse...

Bem linda a sua Rita.
Quase tão linda como a minha Milu.
:)
É que sou tão bera...

Barão da Tróia II disse...

Faz falta mais pessoas assim, boa semana.

Paula Raposo disse...

Adorei ler-te e ver a tua família tão querida!! Beijinhos.

lena disse...

menina linda

já consegui ver a Rita, é doce e linda

era assim que a imaginava, pequenita, fofinha e meiguinha

que muitos mais anos passe na tua companhia e te continue a dar alegrias


beijos e muitos e quero uma lambidela da Ria, fiquei delirante

tenho uma empatia muito grande pelos cães, não sei o que é viver sem ter um a meu lado, já os tenho ido buscar ao canil, só porque passo por lá e os vejo tão tristes

abraço-te com carinho

lena

maresia_mar disse...

Olá
os nossos animais fazem parte da nossa familia, com eles partilhamos momentos tão importantes. eu sempre tive cães e a minha casa não seria a mesma sem eles.
Bjhs

Renegado disse...

Ohhh. Estarrecedor.
também usei essa palavra em meu post.
Não tenho boas experiencias com animais, os únicos que realmente me apeguei foram roubados =(