quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Dispersões em espiral.

Como estão recordados resolvi partilhar autores que fui lendo através da blogosfera e que editaram as suas obras.
Alguns deles editaram em prosa, pelo que irei referir, aleatóriamente, aqueles que me deram a honra de partilharem comigo as suas publicações.

Fotografia de José Alberto Mar

A memória em espirais.
Baús de teias e segredos. Desafios. Homens, mulheres, pessoas em mistificas idiossincrasias, papéis bolorentos, com cheiro a pergaminhos e nudezas atiradas para os sótãos onde tudo se guarda. Apenas a vida se esvai neles.

O mais profundo silêncio ouve-se.

[Os silêncios são a forma mais barulhenta de alguém se fazer ouvir]

Cores e sons do âmbito do alucinogéneo fazem-se também sentir. E ver.

[A ausência é a forma mais presente de alguém se manifestar]

Por isso estás tão perto. Pelo silêncio e pela ausência.

Como se de um redemoinho se tratasse, o pensamento espiral, ou em espiral atira-me para terras quentes, agora frias em busca de ti.

Sentes-me porque sinto que me sentes.
Eu adivinho-te nesta ausência. Sei-te aqui.

[Este saber não é apenas intuição. Palpa-se.]

Sabores de seios, aromas de peles, desígnios feitos olhos. Verdes/azuis. Ou cobaltos.
Ametistas de todas as cores povoam-me pensamentos e sentires.

[Sabes que as ametistas têm as cores que lhes quisermos dar?]

Sabes.

A Lua banha-me e banha-te. Estamos afinal à distância de uma Lua. Apenas.

[As Luas, todas as luas não têm distâncias. Estão dentro de nós]

Lábios desenhados (bem) carmesins/desejo buscam-me. E buscam-te.


[Sinto o calor do teu corpo]

Pudera. Está encostado ao teu!

[Sinto o teu desejo]

Vais senti-lo.

António José Pinto Correia in Insónias e afins (Pág. 57)


Capa do Livro

32 comentários:

EU.CÁ.VOO.CAMINHANDO disse...

O. K. Tudo bem. Como te tinha dito podes "roubar" as imagens que te apetecer.Para que serve a "arte"(?) se não fôr partilhada com os outros?
1 Abraço

J.A.M.

Anónimo disse...

Entraste pelo meu jardim secreto a dentro como faca quente em manteiga ...

Tenho a mente povoada de recordações envoltas nas poeiras do tempo decorrido, sinto a dor aguda da saudade, deitei fora uma vida única ...

Passo disse...

belo desejo, belo sentir :)

© Piedade Araújo Sol disse...

..conheço a escrita do AJPinto Correia, pois foi-me facultada faz muito tempo pelo próprio. Gostei de o "ver" aqui..

Peter disse...

Não sabia que o meu ex-companheiro de blog tinha publicado "este" livro.
Sabia que ia publicar um.

Quiproquós da blogosfera ...

túlio hostílio disse...

Adorei. continua....

Mocho Falante disse...

faz tempo que aqui não vinha...e agora percebo o que tenho andado a perder

beijocas

Bia disse...

Amei...o silêncio é a forma mais barulhenta de alguém se fazer ouvir, uma grande verdade...
e adorei e acho com um sentido de humor fantástico "sinto o calor do teu corpo
Pudera está encostado ao teu" este é o de alguém que está a querer dizer algo de profundo a um outro alguém que racionalizou o que seu coração quis dizer, demais...

Bia disse...

AH! Esqueci-me de te deixar um beijinho.

adesenhar disse...

"Dispersões em espiral" bem desenhadas...

eu escolho esta para esquissar:

O mais profundo silêncio ouve-se.

bj

unicus disse...

Só posso agradecer-te a gentileza, certamente imerecida. Muito obrigado, O.
Beijinhos

Conceição Bernardino disse...

Olá,
“ Somos a ponte para a eternidade,
Formando um arco sobre o mar,
Procurando aventuras para nosso regozijo,
Vivendo mistérios, optando por calamidades,
Triunfos, desafios, apostas impossíveis,
Pondo-nos à prova uma e outra vez,
Aprendendo amar.”
Excerto de “Richard Bach”

É com esta força que renasço todos os dias, para continuar a minha caminhada...
Espero que gostem deste pequeno presente.
Beijinhos, que a escrita nos una!
Conceição Bernardino

http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

Delfim Peixoto disse...

Gostei!
jnhs

voyeur de blogs disse...

Fantástica exploração do absurdo.
Fiquei com vontade de ler o livro.

Mestrinho disse...

Se dizer "lindo" é pouco, então demito-me.

Cmps à Menina

voyeur de blogs disse...

...só vale a pena o bem, nunca vi sentido no mal...
o problema são as interpretações sem os devidos esclarecimentos, claro.
Obrigado.

Luna disse...

Sem duvida que aí estão algumas frazes com bastante sabedoria , e nos fazem meditar
bjs

João C. Santos disse...

bonito jogo de sentidos e palavras...

muitos parabéns pelo trabalho que realizas na divulgação de novos autores

alice disse...

belíssima escolha, menina marota. como está desde ontem? espero que muito bem e despeço-me até amanhã. com um beijinho muito grande ;)*

☆Fanny☆ disse...

Estou encantada com a escrita do António José Pinto! Aliás...eu já conhecia alguns textos do seu blog, mas não sei por quê, estes fragmentos deliciaram a minha alma!

Parabéns aos dois...ao António pela arte magnífica da escrita e a ti, Menina Marota, por esta feliz iniciativa!

Um abraço de estrelinhas*

Fanny

Anónimo disse...

A esta hora da madrugada, resolvi visitar-te (já tinha saudades...) e valeu a pena !!!

Obviamente que o silêncio é mais barulhento, como a ausência está mais presente, quanto maior for a nossa cumplicidade...

"Sentes-me porque sinto que me sentes..."

Gostei. Parabéns a ambos.

O meu obrigado por este prazer de leitura...

Um beijo do amigo VR

Cakau disse...

Muito bonito :)
Vim dizer-te um olá e deixar-te um beijinho *

Morgaine disse...

Ai prosa, prosa... como hei de descrever o efeito que tens em mim?

lena disse...

menina linda, mais um belo momento, tenho lido António José Pinto, gosto muito

entrei nestes sentires, envolvi-me nos sabores das palavras, imaginei a dança de dum corpo, entre cores luminosas, encantei-me com a lua e deixei-me ficar a escutar o silêncio


uma prosa envolvente onde se conjuga o verbo sentir


que bem escreve António José Pinto e que bom gosto tens tu, que me delicias com estes momentos de tanta beleza

obrigada!

abraço-te com muito carinho e beijinhos para ti, muitos, menina encantadora

lena

asn disse...

Bela prosa e que forma dispersa?! de sentir!...
-
Recebi e observei com atenção e carinho todo o material enviado ultimamente.
Eu e a Zaida estmos-te muito reconhecidos por toda a atenção dispensada.
Mil beijos
António

JBarbosa disse...

Ouvindo quem? Desculpe a ignorância do macaco.
Mto bom.
O texto também. Como sempre.

JB - rosamármore.

MARIA VALADAS disse...

Tenho seguido a leitura do A.Pinto Correia...

Não me assombra este poema... pois todos eles são sublimes!

Parabens António :)

Parabens...Menina :)

Beijos da
Maria

PR disse...

Anotei. Boa noite, abraço.

Turquesa Azul disse...

" A ausência é a forma mais presente de alguém se manifestar"

Foi assim que dei início a este meu estado de alma.Afastando-me.
Beijinhos

Anónimo disse...

NINGUEM o blogue do Ze Pinto Correia é de leitura diária para mim por toda a sua sensibilidade de alma.
Jinhos da Ana

Leticia Gabian disse...

Obrigada, querida. Agora vou querer ler mais do Antonio Correia. Adorei!

Beijinhos

Anónimo disse...

Já pedi o livro por mail à editora e ñ me foi mandado. Será que eles mandam ou não?
Vera