terça-feira, novembro 14, 2006

O Funcionário Público...

… compreendam uma coisa… este é um blogue de Poesia e afins… mas quando os Funcionários Públicos são tão mal tratados, por políticos, alguma comunicação social, muito público em geral e, os bancos “engordam”com o nosso dinheiro, aplicando cada vez juros mais altos, penalizando quem tenha um saldo abaixo da média que eles querem, impingindo seguros e mais seguros e todos têm medo de reagir, a começar por certa comunicação social que diz, que isso é resultante de um “buraco na lei”… eu estou do lado do mais fraco…
Aqui vos deixo estas pérolas, que descobri...

Pintura de Rosário Andrade



Então não saiu assomadiço,
terrível, assanhado como um gato,
esse manga d´alpaca timorato,
por tradição tão manso, tão submisso?

- Ah! Vocês não me pagam? Ele é isso?
Vocês supõem que não quebro um prato?!
(Exclamou). Pois vão ver como eu os trato!
E pronto! Nunca mais foi ao serviço.

O triste resultado viu-se em breve;
o abalo em toda a parte foi profundo;
o mal que produziu não se descreve.

Imaginem agora que os secundo.
Se os sonetos suspendo e faço greve
não há que duvidar! Acabou o mundo!

(Poema de Acácio de Paiva
Insigne poeta Leiriense
(1ª metade do séc. passado...)


Gentilmente cedido por ASN in Dispersamente...

33 comentários:

Anónimo disse...

heheh. excelente poema. adorei ler. e a tua introdução fala por si...

Anónimo disse...

heheh. excelente poema. adorei ler. e a tua introdução fala por si...

contadordehistorias disse...

A realidade da nossa sociedade actual é deveras preocupante sem dúvida, se todos tivéssemos a gana das palavras deste texto talvez não fossemos submetidos a isto.

beijos

Joe Nunes disse...

clap, clap, clap!

Genial!

[[aqui na redacção não vão gostar, mas que se dane]]

O que tu desencantas!! Parabéns aos intervenientes; a pintura da MINHA cidade está divinal; parabéns à autora
Cpmtos do J. N.

asn disse...

Sabem que Acácio de Paiva foi funcionário público durante uma grande parte da sua vida?
Claro que, antes e durante esse período, também foi um boémio dos que se não se envergonham dessa sua maneira de encarar a vida.
Obrigado, querida amiga, por este presente, que, estou ciente disso, através deste blog terá muito mais visibilidade e a possibilidade de ser apreciado como o seu espírito irónico, que transparece em toda a sua poesia, merece.
Um abraço :)
António

BÓLICE disse...

Obrigado Marota... foste tu que me inspiraste, porra!

BJs e tÉjá

B)

Paula Raposo disse...

Fantástico!! Beijos.

Anónimo disse...

Pois é, quem procura acha e esta achado é muito oportuno, numa altura em que a palavra passou a ter o significado de desptrestigiar
Bem hajas
bjs
António

Rosario Andrade disse...

Ola Menina Marota!
É um enorme prazer que tenhas gostado da tela e que a tenhas mostrado aqui, OBRIGADA! vou come♪5ar a pintar outro Porto no proximo fds, para variar um pouco da sCoimbras...

Desculpa so agora responder... mas também sou funcionaria publica e estou de prevencao... carais, nao me deixam em paz!!!! sao 10 horas e ainda nao jantei... estou no hospital a tentar desenrascar uns medicamentos para um doente que esta a sangrar quite badly do cú...sério! O que é que é o homem terá andado a fazer, nao sei!...
Bem, pelo menos pagam-me e por aqui nao parece haver buracos na lei...

Bjico ancho!

Peter disse...

Também estou no mesmo barco. Como em todas profissões há o mau e o bom. Acho que devemos lutar pela dignificação da profissão.

Gostei do quadro da n/londrina Rosário. Há muito tempo que não sabia nada dela.

APC disse...

Eheheheh, Bravo! Bem introduzida! :-)
E Gaia ali! :-)

nunocavaco disse...

Subescrevo o que escreveste. Devemos ter um estado forte que possibilite que uma melhor redistribuição de riqueza seja feita. Devemos ter políticos que governem para a maioria e não para proteger interesses de uma minoria que se está nas tintas para os portugueses.

Muito bom.

pintoribeiro disse...

Percebo mas não concordo, claro. Bom dia, abraço,

O Sibarita disse...

Olá Menina! Vou comentar por parte.

Quanto aos funcionários públicos é tal e qual, ou seja, aí é igualzinho ao Brasil, uma pena...

O quadro, uma pintura de quadro da Rosario que retrata um casaril, o que me impressiona é que esse casaril parece muito com os casaris daqui de Salvador principalmente na parte que tem o Elevador Lacerda. Para quem não sabe Salvador é composta de Cidade Alta e Baixa interligadas por ladeiras e o Elevador Lacerda, parece até que a Rosario já esteve aqui, que bom!

A Poesia, ela por si só se fala, é demais!

Menina, obrigado por tudo, pelas, dicas, pelas postagens, obrigado, obrigado, obrigado...

Depois vá no Sibarita ver como ficou.

abraços,
O Sibarita

Passeando no Parque disse...

Que posso mais adiantar? Tal e qual o Brasil; os funcionários do governo são sempre os que recebem as primeiras balas!!
Muito boa a pintura e o poema.
Abração pra vc :-)))

Anónimo disse...

## pintoribeiro disse...
Percebo mas não concordo, claro##

CLARO!!! como poderia concordar??? está do outro lado da barricada!!!

Mas eu concordo com tudo o que se depreende desta postagem, do texto e do poema!!!

Não sou funcionário público, trabalho por minha conta, mas tenho imensos amigos e familiares que o são!!!

E tenho os tais chamados do --outro lado --- e sei como vivem!! bons carros, boas casas, férias no Algarve em quase todos os fins de semana prolongados e ainda recebem das finanças!!!! O filhos são subsidiados, e tudo!!!

Orar, ora, até quando nos VAMOS CALAR???!!

A.J. de Albergaria

Anónimo disse...

Gostei deste "desagravar" dos funcionários públicos que tanta pancada têm levado nos últimos tempos. Muito bom. **

Bia disse...

É verdade, quem está do lado de cá sente na pele as injustiças todas. E esse poema tem a força que nós precisamos.
Beijos

Passo disse...

e mai nada, eu q tb sou FP subscrevo na integra heheeheheheh :) bjokas

as velas ardem ate ao fim disse...

simplesmente sublime tudo...a introdução, o poema, a pintura...

Tempo bem passado este que estive aqui.


bjos

Maria Manuel disse...

Gesto bonito, nas palavras próprias e na escolha de um poema cheio de graça!

Capitão-Mor disse...

Estaremos então a falar de poseia corporativa? :)
Tou abrincar...

Bic Laranja disse...

A sua elegância dá sota e ás à corja e aos vigaristas numa forma admirável.
Cumpts.

amigona disse...

Fantástico!... beijo (triste) amiga...

pianola / Sonia R. disse...

Não é só um problema que diga respeito às mulheres.Bom dia.

asn disse...

Estou encantado com a reacção que esta postagem está a motivar.
Torna-se patente que a intencionalidade da ironia do poema não é bem clara. Cada um que interprete como melhor lhe aprouver. Eu também não consigo decidir-me para que lado da balança pende a ironia do autor. Será que ele próprio não estaria a brincar com os seus eventuais leitores?...
Repare-se na placa comemorativa do Centenário do seu nascimento, em sua homenagem, na morada:
http://dispersamente.blogspot.com/2006/11/um-destaque-digno-de-registo.html
Um abraço

Kalinka disse...

PARABÉNS pela ousadia em escrever em defesa dos funcionários públicos que tanto tem sido atacados nos ultimos tempos.

da minha parte, agradeço imenso as suas palavras, embora nunca tenha sentido como uma crítica essas vozes que se levantam contra os F.P. - apenas penso, coitados, têm uma mente distorcida e pobre.

Bom fim de semana.

poemusicas disse...

Muito bonito o poema que li.

O que há,
só com o meu coração?
Será,
só de mim toda dor,
insistente, esse amor,
viverá só em mim.

Eu terei,
de chorar quando quero, sorrir,
eu terei de viver, quando quero morer,
só pelo meu coração?

Naeno

o_anticristo disse...

O teu bom gosto por boa poesia nunca deixou de me surpreender. Continua assim!

Anónimo disse...

Começo por falar da música. Espantosa. Corta, se me é permitido dizer, o preâmbulo que antecede a imagem e o poema.
Vamos por parte: 1 - começo pelo poema. O autor, faz uma certa ironia ao desespero do funcionário publico. O mundo não acaba, se o poeta não escreve. O mundo também não acaba se o fp fizer greve…
2 - o casario do Porto: uma pintura dum local de culto para muitos que como eu, gostam de viajar até lá e temos amigos e familiares no Porto.

3 - leitura de um texto aparentemente tão simples, mas que foca várias questões. Não me vou alongar em muita coisa, só naquilo que realmente me tocou: eu estou do lado do mais fraco… Há dias assisti no metro a uma conversa curiosa: dois jovens, pelo que me apercebi concorrentes a um concurso numa autarquia da linha, estavam escandalizados por aquilo que eles achavam uma miséria de vencimento, que era impossível o papel que tinham entre mãos estar correcto.
Apeteceu—me entrar na conversa e dizer-lhes quanto pensavam eles que a média dos funcionários públicos ganhavam? Porque os fp não são só os professores, os funcionários judiciais, dos ministérios. A maior parte dos fp, mesmo em lugares de técnico profissionais, não chegam aos 900 euros mensais. A maior parte ganha entre os 800 e 900 euros. Um técnico profissional ou um administrativo com menos de 15 anos de carreira, nem isso ganha! A fama dos ordenados chorudos são mesmo dos altos cargos.
Estar do lado dos mais fracos - pela minha parte só tenho que agradecer. As palavras e a intenção

Amaral , funcionário autárquico, técnico profissional, 22 anos de serviço, 2 filhas a estudar, aufere mensalmente 875 € por mês. Somos nós que aniquilamos a economia do país?

Faço esta pergunta a quem está CONTRA os funcionários públicos.

Sem outro assunto

Cumprimentos

Anónimo disse...

descobri o teu blog... por acaso e percebi o teu bom gosto... pelos poemas q escolhes... é sempre uma boa maneira de conhecer algo mais... jinhos

Teresa David disse...

é caso para dizer...já vem de longe!
Bjs
TD

adesenhar disse...

um poema da
(1ª metade do séc. passado...)
que já vem de longe
e
recuando ainda mais uns séculos por incrível que pareça enquadrava-se
numa qualquer peça de Molière!.

:-)