segunda-feira, julho 04, 2005

A Rosa de Hiroxima

Não chores por mim,
chora por aqueles que não olharam os meus olhos,
porque não têm olhos para olhar…
Não chores por mim… que eu já parti.


* Foto de Kevin Carter


Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexactas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioactiva
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atómica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada

(Poema de Vinícius de Moraes)


* Com esta impressionante fotografia, Kevin Carter, fotógrafo Sul-Africano, ganhou o prestigiado e almejado prémio Pulitzer em 1994.
Passados alguns meses, com um grande sentimento de culpa, por não ter ajudado a menina, Kevin Carter suicidou-se...

36 comentários:

Passo disse...

:( sem palavras

Sulista disse...

Hiroxima meu amor...

Beijinho Grande
Bom início de semana!

Sulista

maresia_mar disse...

Também estou sem palavras... O nada faz-me arrepiar... Para ti uma semana colorida amiga...

manuel disse...

Se todos nós, por um momento que seja, formos capazes de parar e ver a terrível imagem que estamos a dar à casa comum dos homens, com certeza que há-de daí resultar pelo menos um gesto novo, que se impõe como urgente. Importa refazer este nosso pequeno mundo.
Construir uma nova utopia, um novo enquadramento em que o bem-estar de alguns não se construa à custa do sofrimento de milhões.

lua_sol disse...

Fiquei muda ao ler este poema. Se com algumas palavras pudessemos mudar as coisas seria optimo. Bom inicio de semana. Beijinho

Luís disse...

Este poema deixa qualquer pessoa sem palavras! Mas mostra-nos em poucas frases a indiferença que vive no coração do Homem.
beijinho, boa semana!

SereiaPerdida disse...

Mt triste mas emotivo...Sem palavras, como já disseram...

Wakewinha disse...

Fiquei arrepiada. Pela imagem e pelas primeiras palavras, que julgo serem tuas! Um beijo muito, muito, grande! :)

augustoM disse...

Até onde pode ir a barbárie humana.
Ficamos à espera de um poeta que cante também a Rosa Africana.
Um abraço. Augusto

wind disse...

Poema que sempre me marcou desde a adolescência ainda por cima ouvi-lo cantado por Ney Matogrosso. A imagem é chocante:( Que se acabe de vez com estes flagelos da fome! beijos e bom fim de semana

AS disse...

Para ler e meditar!...

Mas ainda hoje existem bombas silenciosas que matam muitos mais... em cada 3 segundos morre uma crinça à fome!...

Abraço-te MM

m@nuel disse...

A fome é uma bomba de Hirochima a cair todos os anos em África.
A cada batida do coração morre alguém com fome.
Cada coração que bate indiferente a isso, sofre da maior doença do mundo: estupidez.

Um beijo

Elise disse...

Um tsunami por ano na Etiópia: 300 000 crianças morrem à fome...

Bom Garfo disse...

De 3 em 3 segundos morre uma criança de fome no mundo. Aconselho a leitura deste post no blogue do meu amigo Velho da Montanha....

Anónimo disse...

Lindo poema, não podia vir em melhor altura.
Beijos
www.openroad.blogs.spao.pt

Isabel Magalhães disse...

Doloroso... extremamente doloroso!

Um abraço.

bertus disse...

..até quando?
Até quando o homem deixará
de olhar para o seu umbigo?
Até quando o homem permitirá
que se permitam dramas tais?
Até quando direi para comigo
que é preciso fazer muito mais.
Que não chegam as palavras.

Abraço.

Nilson Barcelli disse...

Gostei particularmente das tuas palavras introdutórias (presumo que são tuas...).
Este teu post tras-nos à memória uma das atitudes mais mesquinhas que o Homem cometeu contra o próprio Homem. Foi há muito tempo, mas ninguém pode esquecer Hiroxima.
Beijinhos

Yardbird disse...

Infelizmente, na maior parte das vezes não se passa das intenções, Menina. E será sempre assim, enquanto formos governados por uma geração de estúpidos e cegos
Beijinho meu

lobices disse...

...nada somos
...somos apenas meros peões no infindo tabuleiro de xadrez dum Universo sem tempo nem espaço
...é ele que nos rege
...
...saber aceitar combatendo, no entanto, tudo o que pudermos para melhorar a nossa maneira de ser e de estar perante a vida e a morte
...
(desculpa: enviei-te mail)
beijinhos

manuel disse...

Belo e sensível, como é de esperar de ti. Beijos

Armando S. Sousa disse...

Este é um poema emblemático de todos os que se opôe ao desenvolvimento da energia nuclear.
Eu sou um deles.
Adorei ler este poema, aqui!
Um abraço.

Alexandre Sousa disse...

Vim pela descoberta e fiquei sem palavras. O que em mim é raro. Aqui mora o sublime.

Maria Manuel disse...

No final de 2004 tive a grata satisfação de participar numa pequeníssima mas eficaz campanha de ajuda a um grupo de crianças moçambicanas (directa, através de amigos, sem passar por entidades "desviantes"). Uma gota no oceano das necessidades! Mas nestas coisas tenho sempre a sensação de que as palavras, por muito sinceras e bem intencionadas que sejam, não chegam...

JPD disse...

O poema é admirável; a foto é das mais dilacerantes que alguma vez vi. Já a conhecia e, apesar disso, sempre que a revejo arrepio-me. A pergunta continua de pé: COMO É POSSIVEL À HUMANIDADE CHEGAR A ESTAS SITUAÇÕES?
Bjs

LUIZ ALBERTO MACHADO disse...

Nada mais terno, nada mais humano e solidário que esta "Rosa de Hiroshima" do grande Vinicius.
Este seu espaço é cada vez mais encantador.
Beijabrações

ze ant disse...

Lindo poema, e essa rosa bem que poderia chamar-se "Capitalismo". Este sistema em que vivemos, amordaçante das acções e do pensamento, onde o frívolo é reinante.
Seja a miséria em África, seja a existência desses aterradores Apocalipses, suportes dessa besta sanguinária acumuladora de Capital.
Quanto às boas intenções...o Inferno existe...mas não é noutro mundo virtual, é já ali ao lado.
Que fazer? - Como perguntava Lenine.
Acabar com a Besta Capitalista, lutando dia a dia, onde quer que estejamos.
E, talvez um dia, consigamos criar o paraíso neste NOSSO mundo.
P.S. - Desculpem as referências Bíblicas.

I disse...

As tuas palavras dão-me força para continuar. Um beijo,obrigada!isabel

almaro disse...

http://aguarelasescritas.blogspot.com/2004/12/esperas-sem-angustia.html

(escrito com a mesma dor)

almaro disse...

pinto, de lápis e cores de água.
suave ,
não vá o lápis revoltar-se.
os olhos do lápis partem-se em lágrimas se lhe transmito a dor disforme que me salta do ver.
aguarelo-me inteiro,
dessalinado,
em ossadas-andantes-na-negritude-do-sangue-fome.
não tenho ódios,
nem raivas,
nem palavras,
nem gritos,
sou indignação.
por inteiro.
afiado, como o lápis que me escreve,
sem poesia nem perdão.
pinto,
suave,
com o cuspo da ilusão.

parem o tempo!
já!
ah se desse, parava-o eu,

a cada segundo morre uma criança sem (a)deus .

parem o tempo já.
agora!

para que não morra a criança que ainda não nasceu…

já não grito.
já não choro.
sangro sal.
uivo ,

sou animal.

SillyBahrainiGirl disse...

ouch.. this picture hurts

AS disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
António disse...

Não esperava chegar aqui e ver o poema ao qual Ney Matogrosso deu voz e fama.
Jinhos

Anónimo disse...

best regards, nice info
» »

Maite disse...

boa noite
sou professora e minha escola está enfrentando um problema de guerra de comida durante os recreios, estou fazendo um trabalho sobre a fome no mundo e gostaria de colocar essa foto no trabalho.
se puder me enviar agradeço muito.
obrigada Maitê
maite.maripensa@uol.com.br

Thaiane disse...

preciso dessa foto para um trabalho...apenas assim para todos ficaram cientes de que o mundo nao esta num mar de rosas, e que tragédias existem!
thai_kunde@hotmail.com
por favor, se puder
me envie essa fotos, e outras mais se tiver

Obrigada