terça-feira, novembro 14, 2017

SOBREVIVÊNCIA

David Hoffrichter

Era o vento.
Era o vento que me empurrava.

Era o vento. Era o vento.
E em seus braços me deitava.

Era o fogo.
Era o fogo das suas mãos que me queimava.

Era a mente.
Era a mente que tudo suportava.

E a raiva. E o medo.
Nos caminhos que caminhava.

Era o mar.
Era o mar em cujas ondas navegava.

Era o mundo.
Era o mundo cuja dor governava.

Era a morte.
Era a morte que por milagre evitava.

Era a vida. 
Era a Vida por Amor apetecida.

E era eu.
Era eu que sobrevivia.


quarta-feira, outubro 18, 2017

Existem pedras

Imagem de autor desconhecido



EXISTEM PEDRAS

Existem pedras nos olhos
mas não as tragas
contigo



meu amor
e meu amigo
*
Existem pedras nas mãos
mas não as uses
comigo

meu amor
e meu amigo
*
Existem pedras sedentas
de amor e muito perigo
*
Não queiras que elas inventem
motivo de meu castigo

*
Maria Teresa Horta, in "Minha Senhora de Mim"




sexta-feira, fevereiro 03, 2017

Dança dos Pássaros



Ao meu neto Luca que brevemente faz 4 anos.

Segue o sonho 
que desliza nas asas do mítico condor.
Voa 
para além da bruma do pensamento.
Ombreia 
a espuma das ondas, 
face a face
com o despertar da vida.
A hora floresce.
No mar o sibilo dos marinheiros.
Ao longe o ruído do mundo
acorda as flores e os pássaros.
A luz da tarde se avizinha.

E no abissal furacão  
a vida se pronuncia.



quinta-feira, janeiro 12, 2017

Código da Estrada

Este é o meu actual livro de mesa de cabeceira.



Confesso: 
- não conduzo muito mal
- conheço toda a sinalização rodoviária (acho eu!)
- treinei-me a circular em rotundas (agradeço à Junta de Freguesia a proliferação de rotundas que existem nas imediações de minha casa)
- respeito os limites de velocidade dentro das localidades (nas auto-estradas já é outra coisa, às vezes)
- não buzino, de noite, dentro das localidades e muito menos perto de hospitais
- abrando nas passadeiras e dou passagem aos peões
- etc, etc, etc…

Pois… mas não sou uma condutora perfeita, confesso também!
Porque...
… desconhecia por completo que, em caso de acidente, só deveria chamar a polícia se estivesse morta ou ferida.

Pois é… já lá vai o tempo que, quando não havia testemunhas
e o condutor causador do acidente enchia o peito de que não era o culpado, chamar a polícia para fazer medições e o respectivo auto, era solução. Ah… e não deveríamos mexer nos carros até à sua chegada!

A minha ignorância! Devia ser multada por isso!

Ahhh… é verdade… já fui!

Pois é… para além de a condutora que literalmente me abalroou pelo lado esquerdo - depois de passar um semáforo, saída de uma rotunda - saiu aos gritos da sua viatura dizendo “olhe o que fez” que me deixou abananada, não havendo testemunhas (haver, havia, mas ninguém parou) chamou-se a polícia, depois de eu sinalizar o acidente, para as respectivas medições.

Assunto tratado, despedidas feitas, (sem assinatura de acordo amigável, diga-se) participação ao seguro que só quer dar 50% dos estragos, etc, etc..

Chega a novidade por correio: fui multada em 60 € por não remover a viatura enquanto aguardava a polícia.

Com base em...
"SECÇÃO XIV
Comportamento em caso de avaria ou acidente
Artigo 87.o
Imobilização forçada por avaria ou acidente
1 -Em caso de imobilização forçada de um veículo em consequência de avaria ou acidente, o condutor deve proceder imediatamente ao seu regular estacionamento ou, não sendo isso viável, retirar o veículo da faixa de rodagem ou aproximá-lo o mais possível do limite direito desta e promover a sua rápida remoção da via pública. 
…” 

Pois é… a partir da agora o CE vai ser a minha Bíblia! 

Vou lê-lo e relê-lo para não voltar a ser apanhada em infracções...

Ah… falta dizer que eles levaram calmamente o tempo que quiseram a fazer medições, ver documentos, a escrever o relatório de ambas as condutoras (dentro da viatura deles que estava frio e nós fora) sem se importarem se estavam a congestionar o trânsito ( que não estava!) ou a mandarem-nos retirar as viaturas do local. Só no final, aquando das despedidas, disseram para as retirarmos.

Pois é… noutra não caio, de certeza. Confiar na polícia! Só a chamo se morrer no acidente! Aí não me vão poder multar por não ter retirado a viatura.

Passem a multa aos meus herdeiros! eheheh