sexta-feira, maio 30, 2014

Para além do Horizonte

Diz-me do horizonte que
não estás perdido
na flor que colheste
no olhar que deitaste na
mão que estendeste

Diz-me que a solidão
não é vida para ser vivida
que o medo não é para ser sentido
que a dor não te rebela o coração.

Diz-me que o sol
brilha no teu olhar
que a tua pele sente a sensação
no pulsar das flores em botão.

Diz-me que na tua alma de criança
brilha a lembrança de mil cores
em gargalhadas sentidas  na descoberta de amores
que florescem em marés de esperança.

Diz-me que para além do horizonte
ainda existes 
Diz-me...

 Responderei:
Que não te prometo
o céu
a terra
e a lua

Eu te prometo
o perfume de uma flor
a espuma do mar
num beijo quente
que te quero dar

Eu te prometo
o carinho
a doçura
dos meus olhos
para te olhar.

Eu te prometo
que nada posso prometer
a não ser o meu amor
que, para sempre,
te há-de pertencer.


Ao JP  (17/04/1955-20/04/2014)

                                 (Desligar a música do blogue para ouvir o vídeo)

8 comentários:

Graça Pires disse...

Minha querida, como gostei deste poema tão sentido. Para além do horizonte estará sempre uma estrela a brilhar em seu olhar...
Um grande, enorme beijo.

Cidália Ferreira disse...

Lindo demais.

Bom fim de semana

Beijo
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

heretico disse...

um belíssimo poema - vibrante e sensível!

com a tua matriz - e a tua inigualável "marca".

beijo

DE-PROPOSITO disse...

Um poema que é uma doçura (ternura), e que de certeza foi dedicado com muito carinho.
---------
Felicidades
Manuel

© Piedade Araújo Sol disse...

um amor para lá do horizonte e da vida...

abraço apertado!

:(

Duarte disse...

Para além do horizonte uns versos que destilam sentimentos, em sensações que perduraram no tempo. Mesmo lindo o que aqui me deixaste.
Abraços de vida

Benno disse...

eu te prometo.. tudo!
pois isso que prometes é tudo quanto me basta.

beijo

fernando disse...

Comentário ao Poema?!

Não tem Comentários. O Comentário já está feito:

.. a não ser o meu amor
que, para sempre,
te há-de pertencer.

Dona Otília Martel isto é de uma Grandeza sem par!
E JP Para Além do Horizonte ao ouvi-la deve sentir-se bem Orgulhoso.