sexta-feira, outubro 25, 2013

Reminiscências...

Um pouco de loucura nunca fez mal a ninguém, dizia o meu avô.

Recordo bem, apesar de ser bastante pequena (também não cresci muito mais, ok, concordo, eheh), das palavras dele quando o meu pai o censurava pelas suas saudáveis loucuras.

Ele era uma pessoa extremamente positiva e alegre. Só via o lado bom dos outros e alinhava nas minhas brincadeiras, escondendo, algumas vezes, as traquinices que eu ia fazendo.

A sua imagem está viva em mim. Cada vez mais.

Não será alheio o facto de eu também já ser avó. A desejar que o tempo passe depressa para viver o meu neto em pleno e a fechar os olhos, como o meu avô fazia, a algumas traquinices próprias da idade.

Recordo a sua voz forte mas que se tornava meiga quando falava comigo. Recordo os passeios por Sintra e, acima de tudo, recordo férias passadas na aldeia que me trouxeram o amor pelos animais, pela liberdade da natureza, pelos banhos no rio, pelas tardes calmas quando lia em voz alta ou contava as suas fantásticas histórias de juventude e o seu amor pelos cavalos.

Ou quando lançávamos papagaios de papel na Praia das Maçãs…

Vieram-me à memória todos estes pensamentos enquanto olhava, pela janela, o mar no horizonte.

Tempos felizes que recordo com um carinho absoluto. Reminiscências de uma época que me parece tão próxima como se o tempo tivesse parado.

Pintura de Jimmy Lawlor

As palavras são 
como gotas de água.
Lentamente,
vão criando
um calmo lago
de recordações
dentro de nós,
transformando-o,
velozmente,
num mar de emoções. 

6 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

é tão bom ter essas recordações....

:)

Anónimo disse...

Recordaçõs que emocionam, de
facto.
Gostei da prosa e gostei do poema.
Parabéns à autora.
Espero que prossiga.

C.

lectorwall disse...

As lembranças doces da infância – as pequenas loucuras num estado terno e controlado! Sonho e um pouco de loucura a enaltecer a vida!
Beijinho e abraço, querida Otília Martel!

heretico disse...

a delicada beleza da tua poesia....

e das vibrantes emoções de outrora...

que poderá esquecer?

beijo

Adilson - Rio de Janeiro - Brazil disse...

Maravilhoso....parabéns pela criação e talento!!!

Anónimo disse...

Tudo que respeita a infância é belo. Assim como a bela poesia nos transporta a tempos e vivências imemoriais...