sexta-feira, novembro 23, 2012

Fernando Pessoa

"O valor das palavras na poesia é o de nos conduzirem ao ponto onde nos esquecemos delas. O ponto onde nos esquecemos delas é onde nunca mais se pode ter repouso." (Natália Correia)
 

Não é minha opção relembrar aniversários de morte. Gosto de festejar a vida mesmo que até nem haja muito para ser festejada.

Novembro foi o mês do desaparecimento físico de Fernando Pessoa que deixou vivos, e bem vivos, os personagens que a sua mente prodigiosa criou.

Algum dia o próprio imaginaria o impacto que a sua poesia tem na conjectura da vida e das pessoas?

Quando estou triste, busco Pessoa. Quando estou alegre, busco Pessoa. Quando estou preocupada, busco Pessoa... e encontro sempre uma palavra que me conforta.

Por vezes penso que o seu conforto era ele próprio e todos os heterónimos que inventou, até aqueles que nem são tão conhecidos...

Que escreveria ele, hoje, se fosse vivo? Que escreveria do País, das pessoas e das circunstâncias subjacentes a todos os acontecimentos nacionais e internacionais?

  

"O que há em mim é sobretudo cansaço"

O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos, in "Obras Completas" Fernando Pessoa,
Vol. I, págs 417/418.

7 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Passo para lhe desejar um bom fds e dizer que espero conseguir finalmente tirar todas as potencialidades do IPad :-)))

Rafeiro Perfumado disse...

Quem imaginaria que uma pessoa fosse dar em Pessoa? Beijoca!

heretico disse...

cúmplices no "culto" do Poeta.

beijo

Pérola disse...

Pessoa é umd os escritores mais completos que conheço.
Adorava tê-lo conhecido pessoalmente.

Uma reflexão linda, a tua.

Margarida Alegria disse...

Também me parece que este poema desse outro "Álvaro" seria o escolhido por Pessoa para ilustrar e definir o tempo que vivemos.
beijinhos e o brigada pela visita!

A.S. disse...

Como sempre perco-me nas palavras que deixas, envolvo-me nesta deliciosa música, penso em ti... e sinto tanta saudade!...


Beijos, Otilia!
AL

Jaime A. disse...

Quem disse que o cansaço era algo de mau? Produz, isso sim, lindas palavras, belos poemas...