sexta-feira, julho 29, 2011

Memórias de um olhar

Imagem Google (sem indicação de autor)

A chuva parou de repente dando lugar a um sol brilhante. Avancei pelo passeio da Praça, de olhos semicerrados, cabeça levantada, sentindo o calor no rosto.

Um grito fez-me parar bruscamente:
Cuidado!...

Abri os olhos e deparei-me com a gaivota. Planava a escassos centímetros de mim, batendo as asas com firmeza.

O espanto paralisou-me. O primeiro pensamento foi: vai atacar-me!


Mas não. Ela ficou ali parada de olhar fixo na minha direcção.  Senti-lhe o olhar e, de repente, levantou voo e rasou a minha cabeça, quase tocando, com as pontas das patas, o meu cabelo.

A cena foi, no mínimo, surrealista!


Respirei fundo e olhei em volta.


Um homem (penso que o grito terá vindo dele) olhava para mim, risonho.


Um casal oriental (talvez chinês), com um sorriso indefinível no rosto, abanava a cabeça. Algumas pessoas tinham parado a olhar a cena.


Uma jovem pergunta-me com voz doce:


- Está bem? Está pálida! Achei que a gaivota a fosse atacar.


Sorri, dizendo estar tudo bem, nem sequer me tinha assustado. O espanto foi tamanho que nem tivera tempo para isso.


Mas estremeci. Um pressentimento de que algo estava para acontecer.


Vejo os olhos da gaivota fixos no meu olhar. Impressionante. Nunca nada parecido me tinha sucedido!


Costumo dizer que nada acontece por acaso. Porque me terá isto acontecido?


Um pensamento maluco ocorre-me: - Será que a morte me vem buscar?


Sorrio.


Que disparate. Pensar na morte num dia de sol.

Prossigo o meu caminho.


Na Rua de Ceuta paro na montra de uma velha livraria. Apetece-me comprar um livro. Talvez aqui encontre aqueles que emprestei e nunca me foram devolvidos. Tenho sorte!


Tento distrair o pensamento e a conversa recai, precisamente, no tema dos livros emprestados e nunca devolvidos. Afinal, não é só a mim que isso acontece!


As funcionárias da livraria eram uma simpatia e, por momentos, esqueci o ocorrido.


Eram horas de voltar ao corredor do Hospital.


Acordei hoje, com a imagem da gaivota… os olhos dela, nos meus olhos.

Estremeço...

Amanhã... Nasci.

(29/07/2006...véspera do meu aniversário)