quarta-feira, janeiro 12, 2011

Divagando


Fotografia de Eliana Reis


Passo
lentamente
como vulto
de sal e areia,
envolta no luar
que permanece
em meu olhar.

Passo
lentamente
por entre
mares e marés
de palavras
entregues
ao som da maresia.

E nesta viagem
em que sou vulto,
onda e areia,
mulher,
palavra,
aqui permaneço
estrela cadente
em noite de
lua cheia.

30 comentários:

carlos pereira disse...

Cara Otília;
Belo poema, onde os versos e os sentimentos se aglutinam numa magnífica cadência poética.
Gostei imenso.

Carlos Ferreira disse...

Poesia introspectiva de mulher delicada que usa a metáfora para expressar subtilmente o seu sentir. Sem excessos desnecessários, sem imagens dúbias, clara na sua simplicidade.
Esta é a verdadeira Poesia, a Poesia pura, que nem por ser simples deixa de ser expressiva.
Parabéns, Otília.
Carlos Ferreira

© Piedade Araújo Sol disse...

O.

um poema simples e terno e muito bonito.

um beijo

eduardo disse...

Nada melhor numa tarde de nevoeiro cinzento e parcas novas do país, do que fazer um zapping pelos espaços dos amigos.

Além de nos descontrair, encanta-nos a surpresa, a novidade.
É como teres constantemente uma porta aberta com a mesa posta a todos os que passam por aqui.

E neste espaço, sinto-me bem.
Por isso volto.

Agulheta disse...

Otília. O mar sempre fonte de inspiração das palavras.
Beijinho e tudo de bom

Ana Tapadas disse...

Lindo!
BJ

. intemporal . disse...

.

. passo.e.re.passo .

.

. na permanência de um laço .

.

. nunca lasso . antes abraço .

.

. bom fim.de.semana .

.

Isis disse...

Um poema delicioso de se ler...
Adorei...
Voltarei sempre...
Parabéns !!
Beijos

Daniel Aladiah disse...

Querida Menina
Para quê ter pressa? É bem verdade... mas tudo, até a velocidade, é relativo... a caminho do absoluto.
Beijo
Daniel

heretico disse...

fulgurante Poema. belo e sereno como uma noite de Lua cheia.

belíssimo

beijos

BRANCAMAR disse...

Olá Otília,

Muito bonito este poema cheio de maresia. Imagino-te envolta por esse mar que avistas e onde tantas vezes me deleito.

Gostei muito, pleno de sensibilidade.

Beijinhos
Branca

Graça Pires disse...

Lentamente. Passo a passo. Linha a linha.Se faz o poema...Gostei.
Um grande veijo,MM

Lina Damásio disse...

Adorei de ter passado por aqui. As tuas palavras e musica são belas.
jokas larocas da
Lina

Benó disse...

Quando se vê uma estrela cadente formula-se um desejo. Eu faço o meu: que a Menina passe envolta em luar mas que no seu passar se deixe ficar.
Um abraço e boa semana.

BlueShell disse...

Não passa apenas...deixas tua marca, teu sinal...tua presença que se sente na pele, no ar...
Bj
BShell

Carlos D disse...

um poema que nos leva numa viagem pelo mar, divagando sobre o vulto que somos nós.

José Marinho disse...

Belíssimo poema; ritmo e linguagem que fluem por nós,sem qualquer atrito - tudo orgânico. Abraço.

Jaime A. disse...

A passo se escreve, o vulto diminui ao longo do espaço, mas quem escreve cresce. Gostei muito deste poema de amor, sal, mar.

Jaime A. disse...

Enquanto passa, o seu passo vai continuando e e deixando um rasto de certeza e arte...

rouxinol de Bernardim disse...

A maresia, sempre a inspirar os poetas e as poetisas...
Tal como a Piedade Araújo Sol, também a Menina Marota se prendeu de amores pela maresia... e não há volta a dar-lhes...

E AINDA BEM!

Maria Ribeiro disse...

Passa ,MENINA MAROTA, tu és estrela cadente que não se desfaz...alumias o caminho, por onde teremos que passar...
BEIJINHOS
Mª ELISA

José Manuel Marinho disse...

Passei para te deixar um olá. Abraço.

João Osório disse...

Passei e deslumbrei-me com o teu blogue
Um abraço de profunda amizade
JO

Anónimo disse...

Olá, começo por dizer que o seu blogue é interessantíssimo, Parabéns. convido-a a visitar o blogue lardeabril.blogspot.com, Obrigada.

Era uma vez um Girassol disse...

Querida Marota, também te desejo um novo Ano cheio de inspiração para partilhares connosco poemas tão belos como este...
Beijinho da flor

. intemporal . disse...

.

.

. no dia internacional da Mulher .

.

. deixo flores .

.

. muitas flores .

.

. todas as flores .

.

.

. e um terno e e.terno bem.haja .

.

. paulo .

.

.

Maria Clarinda disse...

Tinha saudades de te visitar e aqui me tens!!!Passei parte da minha tarde lendo e relendo-te!
Um beijo de ternura da tua conchinha

Jocendir disse...

Belo, muito belo seu espaço... deliciei-me ao ler seus escritos...
Desejo que tenhas sempre essa linda inspiração que nos dá felicidade ao ler...
Um beijo grande com meu carinho...
Jocendir

... disse...

Lindo como sempre. Tranquilo como nos habituaste.
Passei para te ver e te deixar um beijo.

Nilson Barcelli disse...

Excelente.
És uma poeta de mão cheia...
Beijo.