sexta-feira, dezembro 31, 2010

Novo Ano...

Um ano se passou desde que vos deixei o meu sentimento nestas palavras…E, pontualmente, todos os meses, acarinhei este local como se vos afagasse directamente, independentemente do rasgar do tempo, por vezes, me impedir de ser assídua nas vossas casas.

Começar um novo ano é termos a certeza de que estamos vivos e partilhamos este Mundo com tudo o que de bom e mau ele nos oferece.

Nada mais vos posso oferecer a não ser o meu afecto e, sem dúvida, tudo aquilo que vou escolhendo para partilhar convosco, quer sejam as minhas palavras e sentimentos, quer sejam de outros.

Que o novo ano seja de paz, esperança e, acima de tudo, de afectos partilhados na procura de um Mundo melhor.

Do coração vos desejo…


Recomeça...
Se puderes,
Sem angústia e sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só a metade
E, nunca saciado,
Vai colhendo
Ilusões sucessivas no pomar
Sempre a sonhar
E vendo,
Acordado
O logro da aventura
És Homem, não te esqueças!
Só é a tua loucura
Onde, com lucidez, te reconheças.

(Poema de Miguel Torga in Diário XIII)

sábado, dezembro 18, 2010

Natal.


Porque a época Natalícia traz-me sempre recordações de infância, o cheiro dos doces que invadiam a casa, o colorido e o sabor de tantas outras iguarias que enchiam de brilho o olhar dos mais novos, as recordações muito mais fortes e presentes de quem já partiu, os lugares que ficam vazios e que mais ninguém conseguirá substituir…

Natal
é nascimento… daquilo que sempre se deseja que melhor aconteça a toda a Humanidade.

É esquecer sofrimentos e deixar que o brilho das luzes, por algum tempo, ilumine ruas escuras, onde olhos envergonhados se escondem por debaixo de mantas e jornais aquecendo-se do frio da noite.

Mas é também tempo de Paz, de esquecimento de mágoas, de perdoar corações empedernidos pelo acumular de razões que a própria razão desconhece.

É um tempo de partilha, de comungar emoções, de estender a mão a outra mão e, juntas, se abraçarem.

É Natal. Mais um na minha e na vossa Vida.

A todos

Feliz Natal


Otília Martel