segunda-feira, agosto 27, 2007

Ternura...(10)


Pintura de Felix Más

No poema que ainda não escrevi
As letras irregulares
E desfocadas confundem
O sentido e as palavras
Que não consigo formar,
Sobram no poema
Que ainda não te escrevi,
Imagino-o num frémito
Soltando-se à pressa
No ar límpido e breve,
Na madrugada quente
Fugindo dos meus lábios
Arrasando-me,
Deixando-me incompleta
E o destino a perseguir-me.
E o poema que não escrevo,
Não me liberta nem me prende
Antes me consome
Num devaneio,
Antes atiça e sucumbe,
Numa luz apagada.
Não sonhado. Não escrito.

Maria Paula Raposo



Há pouco mais de um ano que utilizo um computador.
Nos meus últimos anos no activo, tinha um terminal de consulta!
Há pouco mais de meio ano, mantenho dois blogues: o PEDECABRA e o TIROMANTE.
Neste mundo da blogosfera, vamo-nos conhecendo e seleccionar as nossas preferências.
É um pouco como na vida real.
Fazemos mesmo amizades.
Tal como lá fora, elas são mais fáceis quando se conjugam preferências culturais, semelhanças de espírito crítico, opções musicais, expressão de sentimentos, humor saudável, etc.
Com Menina Marota a tudo isto juntou-se um princípio básico: o respeito pelos outros é a medida do respeito por nós próprios.
Essa a razão de nos “frequentarmos” assiduamente.
Que o aniversário da Menina seja uma grande festa!
O presente é mesmo amoroso.
Um abraço Menina.

Aminhapele
Rui Lucas



Imagem Google

Otília, com os meus parabéns

Por blogues jamais imaginados,
fazendo eco de poesia desconhecida,
está a nossa menina marota.
Também escreve versos rimados,
mostrando sonhos da sua vida,
e deste mundo não perde gota...

Imagino-a cheia de alegria
por ter em casa tanto amor,
assim como na blogosfera.
Desejo-lhe o melhor neste dia,
que o encanto seja feito calor,
que ela tenha tudo aquilo que espera.

Um beijo grande

Daniel Aladiah

15 comentários:

peciscas disse...

Concordo contigo: a blogosfera, para além de algum lixo que sempre existe na vida de todos os dias, tem o condão de promover a realização de novas amizades, que se consolidam dia a dia.
E esta amostragem que aqui exibes, prova-o bem.

Paula Raposo disse...

Não tens que me agradecer. Eu é que agradeço a forma carinhosa com que sempre me tratas. Foi com toda a ternura que participei na surpresa dos teus filhos. Obrigada. Muitos beijos.

Anónimo disse...

Uma trilogia perfeita de palavras e poesia. Adorei o poema da Paula Raposa, que gosto muito de ler
Parabéns a todos e a ti MM por mais uma vez partilhares as palavras dos outros.
Helder

Bia disse...

É linda a tua maneira de ser, de te dares e só por isso tens amigos assim...
beijo meu

Fernando disse...

Três belos poemas escritos por pessoas de quem nunca se fica indiferente.

Gosto das tuas escolhas, dos teus textos e a forma como escreves, dentro do pouco tempo que tenho este é um dos espaços que gosto muito de visitar.
Boa semana,
Beijo

Daniel Aladiah disse...

Querida Menina
Acho que as minhas palavras são pobres no arranjo, mas generosas na intenção :)
Um beijo
Daniel

Maria Clarinda disse...

Mais palavras para quê, se continua tudo o que despertas em nós aqui?
Jinhos mil

Anónimo disse...

COMO SEI QUE EUGÉNIO DE ANDRADE É DOS POETAS PREFERIDOS DA MENINA MAROTA AQUI DEIXO, EM SUA HOMENAGEM, UM DOS SEUS POEMAS MAIS EXPRESSIVOS:



ADEUS

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras
e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro!
Era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes!
E eu acreditava!
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.
Mas isso era no tempo dos segredos,
no tempo em que o teu corpo era um aquário,
no tempo em que os teus olhos
eram peixes verdes.
Hoje são apenas os teus olhos.
É pouco, mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor...
já não se passa absolutamente nada.

E, no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos nada que dar.
Dentro de ti
Não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.

Daniel J Santos disse...

Bonito blogue e tantas homenagens merecidas.
Parabens.

aaron@iol.pt disse...

Minha querida Menina estive a ler o conjunto de todas estas ternuras e fiquei sensibilizado com estas emoções todas;com pena minha não tive conhecimento atempado desta verdadeira surpresa. Mas desde já me associo e assino por baixo de todas estas magnificas palavras.
Parabéns e muitas felicidades do aaron

JuliaML disse...

belíssimas mensagens e ainda mais belas imagens, especialmente estas ultimas da Clarinda e do Daniel!
~Como é bom ser-se mimado pelos que amamos!
abraço
Júlia

herético disse...

muito belo. excelentes escolhas as tuas...

Anónimo disse...

ai Daniel Daniel!!!!!
Beijões da L.

Kalinka disse...

MENINA MAROTA
como � bom sentir o calor da Amizade, de algu�m, seja dos Filhos que lhe fizeram essa surpresa como dos Amigos que colaboraram...
...ainda estou � espera que um dia...algu�m me fa�a o mesmo (mas n�o tenho essa sorte).

Ora bem, vou iniciar uma s�rie de posts sobre o ALFABETO da minha Vida. Cada dia vou postar uma letra do abeced�rio, e direi o que achar sobre ela, podem ser coisas boas ou menos boas, s�o as que foram ou s�o importantes durante a minha viv�ncia.
Hoje, em homenagem ao meu neto ANDR� - dia do seu 1� anivers�rio: Parab�ns a voc� nesta data querida, muitas Felicidades, muitos anos de vida...
come�o precisamente pela 1� letra do Alfabeto - a letra A.

Beijitos azuis (em homenagem ao meu neto)

Catarina Rodrigues disse...

mensagens tão lindas! gostei especialmente do poema da Maria Paula e da imagem que o acompanha. parabéns a todos
Cat