sexta-feira, julho 27, 2007

E por vezes


*Desenho em grafite de Francisco Simões


E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos


(David Mourão-Ferreira in "Música de Cama" Pág. 73)

É um dos poemas que mais gosto do autor e já profusamente o divulguei em quase todas as minhas páginas.
Mas hoje trago-o aqui, por um motivo especial. A satisfação que tive por ouvir alguma poesia deste autor lida
aqui na voz inconfundível do Luís Gaspar

*Este e outro desenho de Francisco Simões, fazem parte do livro já mencionado.

27 comentários:

madrugada disse...

Obrigado por partilhares um dos meus autores favoritos.

brisa suave disse...

muito lindo este poema e a imagem tb. Adoro este poema, até já li 2 livros dele.
a musica é fabulosa. manda pra mim, sim? abração da brisa

Adriana disse...

E por vezes somos surpreendidos pelas palavras, que nos abraçam e reforçam com o seu poder e magia.
Que lindo poema!
Adriana

quintino disse...

Inspirado pela brisa do Norte, este homem que amava como ninguém os mares bravos que se avistam lá para cima do Lima remete-nos directamente para a perenidade das coisas. Gostei.

De Amor e de Terra disse...

Olá minha menina, boa tarde!
É também um dos meus preferidos no que concerne David Mourão Ferreira, que tão maravilhosamente falava de amor(es) intensos a 4 paredes...
Obrigada por me (nos) recordares.

Beijos de Luz da

Maria Mamede

maresia_mar disse...

tu consegues sempre surpreender-me
Bjhs e bom fds, parece que é desta que finalmente vou para a praia

Todos os poetas são solitários... disse...

muito a descobrir; muito a descobrir.


Aquela que eu adoro não é feita
De lírios nem de rosas purpurinas,
Não tem as formas lânguidas, divinas,
Da antiga Vénus de cintura estreita...

Não é a Circe, cuja mão suspeita
Compõe filtros mortais entre ruínas,
Nem a Amazonas, que se agarra às crinas
Dum corcel e combate satisfeita...

A mim mesmo pergunto, e não atino
Com o nome que dê a essa visão,
Que ora amostra ora esconde o meu destino...


É como uma miragem que entrevejo,
Ideal, que nasceu na solidão,
Nuvem, sonho impalpável do Desejo...

Antero de Quental

Tiago R Cardoso disse...

Muito bom. Já agora excelente blogue.
Muito obrigado pela sua visita.

Sei que existes disse...

Muito bonito mesmo!
Beijocas

amita I disse...

Como é bom reler este poema e a força que ele transmite permanece... além tempo.
Um bjinho grande de um lindo fim-de-semana

Alexandre disse...

Já dei uma olhada nos audioblogs do Luís Gaspar e estão fantásticos! Fizeste muito bem em trazê-los aqui!

Quanto a David Mourão Ferreira para mim foi o Camões do século XX, deixou poemas fantásticos, conseguindo jogar com o amor e com o erotismo com requinte e bom gosto!

Muitos beijinhos!!!

Olegária quer falar disse...

Você já conheceu Olegária?
Não está perdendo nada, bolas!

Lumife disse...

VOU DE FÉRIAS! BOAS FÉRIAS!

Peter disse...

"E por vezes ah por vezes/ num segundo se evolam tantos anos"

Como foi possível?

alma disse...

Uma boa selecção. Esse poema agrada-me imenso.
Um abraço da Alma

José M. Barbosa disse...

Sem dúvida um dos mehores poemas de DM-F. Mas este ...

Deixa ficar a flor,
A morte na gaveta,
O tempo no degrau.

Conheces o degrau
Depois do patamar;
O que range ao passares;
O que foi esconderijo
Do maço de cigarros
Fumados às escondidas...

Deixa ficar a flor.

E nem murmures. Deixa
O tempo no degrau,
A morte na gaveta.

Conheces a gaveta:
A primeira da esquerda,
Que se mantém fechada.
Quem atirou a chave
Pela janela fora?
Na batalha do ódio,
Destruam-se, fechados,
Sem tréguas, os retratos!

Deixa ficar a flor.

A flor? Não a conheces.
Bem sei. Nem eu . Nem niguém.

Deixa ficar a flor.

Não digas nada. Ouve.
Não ouves o degrau?

Quem sobe agora a escada?
Como vem devagar!
Tão devagar que sobe...

Não digas nada. Ouve:
É com certeza alguém,
Alguém que traz a chave.

Deixa ficar a flor.

lena disse...

menina linda

é certamente um dos mais belos poemas de David Mourão-Ferreira

cada verso vem carregado de envolvimento, que é dificil ficar indiferente

nos seu poemas a figura feminina e o amor quase sempre se salientam

fui escuta-lo na voz de Luís Gaspar e realmente ele sabe dizê-lo muito bem, adorei o momento

obrigada por o trazeres até nós e partilho contigo:


Quem foi que à tua pele conferiu esse papel
de mais que tua pele ser pele da minha pele

David Mourão-Ferreira


abraço-te com o meu carinho, com a minha ternura, na amizade que nos liga

beijinhos para ti menina linda


lena

Baby disse...

"E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos"

Obrigada pela partilha de tão belo poema.

Obrigada pelas palavras que deixaste no Barlavento há dois meses atrás.

Voltei, com a vossa ajuda.
Beijos.

Praia da Claridade disse...

Bonito poema de David Mourão Ferreira, sempre presente, os seus poemas, a sua voz, a sua imagem !
"E por vezes as noites duram meses...", mas nesta Vida os anos parece que duram dias, passam cada vez mais depressa !... Verdade ?!...
Votos sinceros de boa semana.
Abraço

Paula Raposo disse...

Hoje dia 30 Julho, passo aqui para te desejar um dia muito feliz, cheio de maravilhosas surpresas!! Muitos beijos.

Fragmentos Repartidos disse...

Não conhecia nada de David Mourão-Ferreira, mas certamente que este poema é bonito e é um bom inicio para começar a conhecer a poesia de alguém.

Parabéns pelo blog.

amita I disse...

Que este dia renascido se prolongue por muitos e muitos anos cheiínho de Amor, Alegria, Paz e de tudo o que mais desejares.
Um bjinho grande de Parabéns e um carinhoso abraço

Era uma vez um Girassol disse...

Lindo, lindo, é sempre bom ler de novo.
A música...Dizes qual é?
Uma paz...
Beijinho

Sulista disse...

Parabêns a Você,
nesta data querida...muitas felicidades,
muitos anos de vida !!!

Beijão para a amiga Marota ;-)
Um dia cheio de coisas boas***

ps-hoje tb tenho festa...a minha cunhada tb faz anos...

Leila Bosquerolli disse...

Feliz Aniversário! Parabéns por seres esta pessoal especial que acredito que sejas! Tudo de bom! Beijos!!!

Isabel Magalhães disse...

Olá O.!

Que bom encontrar aqui o traço do meu amigo Francisco Simões e a Poesia do DAVID MOURÃO-FERREIRA, O MEU POETA DO CORAÇÃO.

E porque hoje dia 30 de Julho do ano da Graça de 2007 é o teu dia, aqui ficam os meus sinceros PARABÉNS com votos de um dia excelente e ziliões de FELICIDADE.

Um beijinho carinhoso.

I.

Bernardo Moura disse...

Muito bom!