sábado, junho 02, 2007

O Peso do Silêncio

Voltando ao tema de divulgação de autores que começaram na blogosfera, continuo agora com a prosa do intro.vertido, deixando um pequeno excerto do seu livro...


Pintura de Wolf Kahn

“ […] Tornámo-nos amigos, ambos sofríamos de solidão. A solidão da grande cidade, onde estamos sozinhos no meio da multidão, onde a comunicação parece fácil mas é mais difícil, a identidade se reduz a um número, a vida se fecha no limite do apartamento. Onde o vizinho não é mais do que isso, nos fica à distância de um “bom dia” ou nem isso, não se sabe quem é, o que faz, o que pensa, o que precisa ou o que lhe sobra, qual a sua própria solidão.
As nossas saídas tornaram-se frequentes. As pessoas conhecidas que se cruzavam connosco sempre faziam um sorriso pensado em algo mais.
- Vês Alberto!... As pessoas têm dificuldade em compreender e aceitar uma boa amizade entre um homem e uma mulher, sem que haja interesse sexual. Faltam outros valores na nossa sociedade. As pessoas pensam demasiado em sexo. O sexo é bálsamo e anátema da solidão.
- Eu tenho pouca paciência para sair com algumas amigas que só sabem falar de compras e lingerie. Se saímos com um amigo, pensam logo que somos namorados ou amantes, o que é pior. E não nos livramos da piada insinuosa, da pergunta sonsa, do comentário, porque as pessoas fazem o que fazem e, da mesma forma, não admitem o direito de cada um ser o que quer. Pratica-se e condena-se a prática.
A cidade é um espaço demasiado pequeno para passarmos despercebidos, sem que tenhamos de nos submeter à crítica e às intenções dos outros e demasiado grande para se conhecerem verdadeiramente as pessoas que nos rodeiam e para comunicarmos com elas sem medo. O medo é um sentimento dominante na aparente liberdade que a cidade nos oferece. As pessoas têm medo das outras pessoas, como se os outros fossem animais de espécie diferente, como se não partilhássemos todos dos mesmos problemas. Têm medo de amar e ser amados. Medo de comunicar. Medo de olhar os outros nos olhos, com franqueza e com um sorriso. Os nossos gestos estão catalogados de carga negativa, de valor pejorativo. Um sorriso que devia ser entendido por cada um como um cumprimento, como um “bom dia” é entendido como uma oferta ou um convite malicioso ao sexo.
É a solidão no meio da multidão […]”
(Excerto)
João Norte in "O Peso do Silêncio" (Pág.116/117)



Imagem da Capa


Nota: Encontra-se aberto no Ora, vejamos...um Concurso de Contos. Basta aceder e… concorrer!

10 comentários:

Anónimo disse...

Eu fico muito agradecido. De facto, o tema da solidão atravessa toda a minha obra. Poço adiantar que será lançado em Outubro o próximo romance " O Vale do Moinho"
uma história baseada numa figura verdadeira, e que procura a " dignificação de uma mulher"

João Norte.
intro.vertido.weblog.com

Ana Sobral disse...

Um tema que cada vez mais se sente: a solidão no meio da multidão. Vou procurar amanhã o livro na Feira do Livro de Lisboa. Parece-me interessante.
Um xi-coração da Anita

Kalinka disse...

OLÁ MENINA-MAROTA
Conheci-te no almoço de Primavera, para os lados de Lisboa e desde então visito-te todos os dias, adoro ler-te, embora algumas vezes não comente.
Obrigado pela partilha do conto.

De várias janelas onde me debruço também espreito paisagens maravilhosas.
Semana passada visitei o Alentejo: Pelo caminho vamos encontrando vendas de artesanato e produtos regionais – sobretudo cerâmica, mel, vinhos e tapeçaria.

Vem comigo fazer uma visita virtual.
Beijitos.
Bom domingo.

GRACE disse...

oI, MENINA....EU VOU A PORTUGAL EM OUTUBRO E VOU COLCOAR SEU BLOG NOS MEUS FAVORITOS PARA EU NAO ESQUECER DE COMPRAR ESSE LIVRO "O PESO DO SI`^ENCIO"....ADOREI RECEBER SUA VISITA..BEIJOS E TENHA UM BOM DOMINGO....SEU BLOG É ASSIM, DELIRANTE...E TEM UM AR DE MÚSICA SUFI,...DA TURQUIA...BEIJOS

H. Sousa disse...

Óptimo autor, e o teu sempre meritório trabalho de divulgação.
Obrigado também pela divulgação do concurso de contos do "Ora, Vejamos" e pelo teu valioso contributo, que seria imodesto ser divulgado por ti e, não querendo encabulá-la, aconselho os leitores deste espaço a descobrirem por si próprios.
Beijos

H. Sousa disse...

«encabular-te», já soaria a brasileiro.

A.S. disse...

Um titulo muito sugestivo!´
Mas a pior das solidões é aquela que se sente, apesar de acompanhados!


Um beijo... e saudades!!!

lena disse...

menina linda

de um lado para o outro, entro aqui agora

"o peso do silêncio"

o que nos ofereces dá para despertar a curiosidade e em busca do livro

a solidão, dói, dói muito, mais ainda quando se pensa estar acompanhado...

este pequeno excerto tocou-me

"...O medo é um sentimento dominante na aparente liberdade..."

belo e tocante!

o que divulgas deixa-me cada vez mais ligada a ti, não te esqueças de concorrer

quem melhor que tu conhece o sabor das palavras?

menina linda, leio os outros, adoro o que fazes, divulgas e isso encanta-me, mas há tanto de ti para ler...


abraço-te com uma grande ternura, um abraço como se estivesse aí desse lado

beijos menina linda

lena

Paula Raposo disse...

Verdade. Gostei de ler.

Cleopatra disse...

Ai o teu blog.....Que não fala de coisas politicas simplesmente porque tudo está mal...è por vezes, dá-nos ganas de deixar cair os braços...
Mas não vale a pena. O caminho faz-se a caminhar!
Bj e bom domingo.