quinta-feira, março 08, 2007

Mulher. Feminino singular

Na lembrança de todas as palavras que se cruzaram comigo neste mundo cibernético, há presenças que efectivamente me marcaram, por isso quero aqui partilhar, o poema de um sentir bem feminino…


Imagem autor desconhecido


Hoje, quero dizer de ser mulher. Mulher, feminino singular.
Não filha de pai e mãe, menina preservada, protegida.
Não mulher de alguém, esposa amada, respeitada, com lugar certo na sociedade certa.
Não mãe de filhos(as), desvelada, dedicada, desfeita em preocupação e orgulho.

Mulher por si. Mulher em género e corpo.
Mulher que se (re)conhece ao olhar outra mulher.
Que aprende cedo a conviver com a dor física.
Que quando o desaprende, convive com outras dores.
Que tira da vida o que quer, sabendo muros que se levantam e que contorna ou derruba.
Que luta com outros seres humanos (de qualquer género) pelas suas convicções.
Que sabe da solidão. Da tristeza. Da procura do consolo.
Que pelas mãos e pela palavra conforta quem dela se abeira.
Que aprende o seu corpo como seu. Não de outrem.
Que sabe do desejo. Que o aceita.
Que sabe do prazer. Que o procura.
Que sabe do amor. Que o dá, sem limites, eterno e renovado em cada dádiva.

Poema "Mulher. Feminino singular"
da
Lique

27 comentários:

alice disse...

faboloso poema, menina marota. no dia de todas as mulheres. de todos os femininos. foi por isso também que vim. não poderia deixar de a abraçar com ternura. aceite este comentário como se assim fosse. um grande beijinho.

Spiritus Lupus disse...

Pelo Dia de hoje, meu Carinho...
Do Poema, Magnifico.
Beijito.

henriques disse...

PARA TODAS AS MULHERES DO MEU PAIS .



Calçada de Carriche

Luísa sobe,

sobe a calçada,

sobe e não pode

que vai cansada.

Sobe, Luísa,

Luísa, sobe,

sobe que sobe

sobe a calçada.

Saiu de casa

de madrugada;

regressa a casa

é já noite fechada.

Na mão grosseira,

de pele queimada,

leva a lancheira

desengonçada.

Anda, Luísa,

Luísa, sobe,

sobe que sobe,

sobe a calçada.



Luísa é nova,

desenxovalhada,

tem perna gorda,

bem torneada.

Ferve-lhe o sangue

de afogueada;

saltam-lhe os peitos

na caminhada.

Anda, Luísa.

Luísa, sobe,

sobe que sobe,

sobe a calçada.



Passam magalas,

rapaziada,

palpam-lhe as coxas

não dá por nada.

Anda, Luísa,

Luísa, sobe,

sobe que sobe,

sobe a calçada.



Chegou a casa

não disse nada.

Pegou na filha,

deu-lhe a mamada;

bebeu a sopa

numa golada;

lavou a loiça,

varreu a escada;

deu jeito à casa

desarranjada;

coseu a roupa

já remendada;

despiu-se à pressa,

desinteressada;

caiu na cama

de uma assentada;

chegou o homem,

viu-a deitada;

serviu-se dela,

não deu por nada.

Anda, Luísa.

Luísa, sobe,

sobe que sobe,

sobe a calçada.

Na manhã débil,

sem alvorada,

salta da cama,

desembestada;

puxa da filha,

dá-lhe a mamada;

veste-se à pressa,

desengonçada;

anda, ciranda,

desaustinada;

range o soalho

a cada passada,

salta para a rua,

corre açodada,

galga o passeio,

desce o passeio,

desce a calçada,

chega à oficina

à hora marcada,

puxa que puxa,

larga que larga,

puxa que puxa,

larga que larga,

puxa que puxa,

larga que larga,

puxa que puxa,

larga que larga;

toca a sineta

na hora aprazada,

corre à cantina,

volta à toada,

puxa que puxa,

larga que larga,

puxa que puxa,

larga que larga,

puxa que puxa,

larga que larga.

Regressa a casa

é já noite fechada.

Luísa arqueja

pela calçada.

Anda, Luísa,

Luísa, sobe,

sobe que sobe,

sobe a calçada,

sobe que sobe,

sobe a calçada,

sobe que sobe,

sobe a calçada.

Anda, Luísa,

Luísa, sobe,

sobe que sobe,

sobe a calçada

Fernando Rozano disse...

Oi, belíssimo poema. Por tudo, não apenas por hoje, mas por sempre. Meu abraço carinhoso.

Paulo Sempre disse...

Excelente!!!! mas..a mulher, neste dia, merece.
Beijos para todas as mulheres..
PAULO

António Melenas disse...

Já O conhecia mas bem andaste em começar aqui hoje este poema -uma homenagem à mulher, à mulher por si, inteira, sem atributos que outrem faça favor de lhe emprestar.

Um beijinho por isso

peciscas disse...

Infelizmente, o Dia da Mulher, é, ainda, quando o Homem quiser.
Mesmo assim, tenho lá uma rosa para ti.

Ruvasa disse...

Viva, Menina!

Mas a mulher é tudo isso numa só palavra: mulher.

Não precisa de adjectivação.

Por isso, amiga, os homens tanto a sofrem.

Beijinho

Ruben

lena disse...

menina linda

primeiro bateu a saudade de a ler,

vinha deixar-te um abraço muna flor e fui surpreendida por este belo momento

ler aqui a Lique foi uma linda
homenagem "Mulher. Feminino singular"

adoro este poema

depois tu, lembras-te dele dois anos depois, teve um doce prazer

hoje vi o mar
escutei-o no silêncio
sussurrar o secreto
do fulgor da manhã clara
vi o bailar das gaivotas,
escutei a tua voz com tanta ternura,
sentida na amizade
que me une a ti
menina

um dia lindo para ti, doce, terno e cheio de carinho

eu abraço-te com muita ternura deixo-te uma rosa e um beijo

lena

Joaquim Sobral Gil disse...

Adorei. A mulher "nua" de atributos.
Um beijo

teresa disse...

Ser mulher não é um genero nem um corpo, é ser uma dadiva k deus trouxe ao mundo para expandir sentimentos e aureas positivas sobre o leque derivado que são as forças que uma mulher sustenta.
Por isso ser mulher é também ser portadora de vida!

vida de vidro disse...

Um beijo muito especial para ti, no dia de hoje. ;)

Anónimo disse...

Amei esta mulher no singular, de corpo inteiro; esta toda e estão todas aqui, nestas palavras.

Um beijo de Parabéns à Lique
um beijo de parabéns para ti minha linda Menina tão marota.

Felicidades.

Maria Mamede

Pepe Luigi disse...

O meu objectivo hoje é dar-te um grande beijinho de parabéns pelo Dia Mundial da Mulher!

Pepe.

Era uma vez um Girassol disse...

Lindissimo poema...
A Mulher merece-o!
Parabéns à poetisa e também para ti, Marota!
Beijinhos

In Loko disse...

Excelente este "Mulher.Feminino Singular" da Lique. Boa homenagem ao dia celebrado. Boa escolha MM. (melhoras Menina, sei que andas adoentada, põe-te boa tá!). Beijinho...

DelfimPeixoto disse...

A MUlher ... o Belo, o Amor, o Desejo, a Paixão, o Sentir!
A Mulher, sim, é esse poema da Lique, e todos os poemas que são as mulheres!
jnhs

aaron@iol.pt disse...

Ontem por qq problem não consegui comentar.
Mas vim expressamente dizer-te da beleza deste poema. Espero que não te importes que o tenha imprimido e colocado no escaparate do studio.
Beijo-vos a todas MULHERES com imensa admiração
aaron

helena disse...

Lindo o poema!
Tudo isso, nós mulheres, somos todos os dias.
Um beijo carinhoso

asn disse...

Como se pode ficar insensível a um poema deste teor, com a força transbordante das palavras duma MULHER, que só quer dizer que gosta de ser MULHER!?
Mil beijinhos
António

Miguel disse...

Tens um bonito blog.
Como o outro. Parabens.
Podes enviar-me a imagem do post "Quando Choro"?

peciscas disse...

http://thumbsnap.com/v/h1nqBr2L.jpg

pb disse...

Poema lindo, para pessoas lindas, para pessoas que são simplesmente Mulheres. Obrigado pela partilha, um beijinho

aflores disse...

Ontem, Hoje e Sempre...MULHER!

wind disse...

Belo poema:)
beijos

A.S. disse...

Disse Budellaire que « A mulher é a substância de todas as coisas!»... E tinha rzaão!!!


Um abraço...

.:Emanuelle:. disse...

Da uma passadinha lá no meu... ADOREI o seu... sou nova no pedaço!