sexta-feira, setembro 08, 2006

O Ritual

Há muito que desejava tirar uma fotografia daquele lado da praia quando o Sol beija o infinito em todo o seu esplendor.

Desolada, apercebi-me mais uma vez, que a velhinha Zenit tinha ficado em casa pendurada numa cadeira qualquer.

Deixei-me cair na areia embalada pelo som das ondas em maré vaza.

Foi quando o vi.

Caminhava devagar, de cabeça levantada, todo vestido de negro e chapéu da mesma cor na cabeça, como se nada existisse à sua volta.

- Estranha figura, pensei…

Parou a escassos metros de mim, mas creio que não me viu.

Como se de um ritual se tratasse, estendeu a manta que trazia debaixo do braço cuidadosamente na areia, colocando-lhe em cima um objecto que não consegui identificar. Nos segundos seguintes deixou-se ficar a olhar demoradamente esse objecto e depois encaminhou-se para o mar.

Tive um sobressalto perante a firmeza do seu andar mas, quando ele finalmente parou em cima da rocha e me apercebi da sua voz, confesso que a minha curiosidade aumentou.

O ruído que vinha do mar e o vento que entretanto se tinha levantado abafavam as suas palavras. Foi quando começou a levantar os braços e a sua voz se tornou mais clara, que me apercebi que declamava!

Ao longo de segundos em que a sua voz, como que soluçando desafiava o mar que entretanto quase lhe banhava os pés, senti aquelas palavras como se de uma oração se tratasse.

Repentinamente voltou-se, dirigiu-se à manta em passos firmes pegando no objecto que lá deixara e subiu novamente para o mesmo rochedo.

A minha curiosidade estava ao rubro e, pondo-me de pé, confesso que me aproximei um pouco, quando percebi que ele espalhava algo que ia retirando da caixa em direcção ao mar, dizendo palavras entrecortadas em soluços.

Os momentos seguintes foram de um tal silêncio que nem o mar se fazia ouvir.

Quando finalmente abandonou o rochedo e se sentou na manta, ganhei coragem e dirigi-me a ele.

- O senhor está bem? Precisa de alguma coisa? – perguntei-lhe um pouco a medo.

- Agora estou bem, fiz o que tinha que ser feito. - responde-me numa voz quase sussurrante, acrescentando -
Peço perdão se a incomodei.
Que não, que não me tinha incomodado, antes pelo contrário, tinha sido um momento único, respondi-lhe mas com aquela ansiedade de querer saber mais.

Foi quando, apontando para o chão, me convida a sentar ao lado dele e me conta a história de um amor com mais de 50 anos entre ele e a esposa estrangeira, que abandonou tudo e o seguiu contra a vontade da família.

Sentindo-se velho e doente, receava não cumprir a última vontade da esposa, pelo que tinha resolvido naquela tarde cumprir a palavra que lhe tinha dado: atirar as cinzas dela ao mar, lendo o seu poema favorito, que tinha ela própria um dia recitado na língua materna no funeral do Pai.

Baixinho, como numa oração, voltou a recitar as palavras que eu antes não conseguira ouvir:



Pintura de Gustave Courbet
"Toda esta noite o rouxinol chorou,
Gemeu, rezou, gritou perdidamente!
Alma de rouxinol, alma da gente,
Tu és, talvez, alguém que se finou!

Tu és, talvez, um sonho que passou,
Que se fundiu na Dor, suavemente...
Talvez sejas a alma, a alma doente
D’alguém que quis amar e nunca amou!

Toda a noite choraste... e eu chorei
Talvez porque, ao ouvir-te, adivinhei
Que ninguém é mais triste do que nós!

Contaste tanta coisa à noite calma,
Que eu pensei que tu eras a minh'alma
Que chorasse perdida em tua voz!... "


Quando me despedi tinha a voz embargada de emoção por ouvir um dos poemas de Florbela Espanca ditos naquele momento tão especial, mas percebi pelo olhar cheio de serenidade do velho senhor que ele tinha realmente cumprido a sua missão.




Há momentos que não se esquecem. Este foi um deles…

41 comentários:

asdrubal tudo bem disse...

mesmo não gostando de poesia o que testemunhas-te foi seguramente um momento que não esquecerás é também por coisas como estas que realmente vale a pena viver

Luís disse...

Episódios como estes recordam-nos o quão mágica pode ser a vida. A beleza de uma vida a dois. Tão depressa não vou esquecer a história aqui narrada. Obrigado.

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Estou sem ânimo... talvez cansada...
Hoje serei breve direi apenas BOM FIM DE SEMANA
Beijos

António disse...

Querida amiga:
Que história fantástica!
Que narrativa tão boa!
Que privilégio assistir a uma cena dessas!
Obrigado pela tua visita.

Beijinhos

Carmem L Vilanova disse...

Amiga,
Voltei hoje a blogosfera, depois de quase 3 meses de desncanso.
E volto hoje com festa... Gostaria de poder contar com sua presença nesta data duplamente feliz para mim...
Beijos, flores e muitos sorrisos!

APC disse...

Ontem entrevistei uma senhora que faz hoje 80 anos e cuja história aqui não cabe... Porque a história de ninguém cabe em parte alguma. Todavia, regressei envolvida na sua narrativa, como se essa fosse um manto. Porque era diferente, porque era de amor, porque foi feliz, porque foi triste, porque venceu barreiras e ganhou o sonho, porque a tal da morte acabaria por vir e lavar-lhe o o homem por quem se enamorara aos 17 e nuca deixara de amar. Algo que ele sempre lhe dissera, dada a diferença de idades entre ambos: "Um dia, minha querida, vais voltar a ser só tu".
Lado a lado com uma vida de mulher de armas, que sempre trabalhou, educou 5 filhos e fez pelo país, há essa história que conta com detalhes elevados, de uma alma rica. E a par disto tudo, há o que a responsável daquela residência para idosos me contou:
Que há uns tempos, numa visita guiada que fez com os idosos ao Museu da Marinha, aquela mesma "menina" dirigiu-se ao guia, um oficial da Marinha como o seu companheiro fora, e agradeceu-lhe a visita, com dois beijos e lágrimas nos olhos... E o resto, o que ficou por dizer, o que fica lá dentro até ao fim, é a tal história que não cabe em mais lado nenhum.
Gostei muito! :-)
Um beijinh*

Bernardo da Maia disse...

Magnifico história esta lida, e por certo dificil de esquecer, para quem a presenciou, como foi o teu caso, e para quem a leu, como foi o meu. Simplesmente de ficar agarrado á sua leitura.
Gostei muito...


Bjs de Boa Tarde

Diogo Ribeiro disse...

Bonita história, sem dúvida um momento a ser vivido.

Obrigado pelo teu comentário no meu sítio, há muito tempo que por lá não passavas. Nem eu por aqui, admito.

Abraços, bom fim de semana.

LUA DE LOBOS disse...

que arrepio...
xi
maria

Anónimo disse...

Foi a primeira vez que visitei o seu blog e não queria saír sem dizer que gostei dos textos e poesia escolhidos bem como das fotos principalmente o quadro que ilustra o poema de Espanca. Ah e achei imensa graça ao poema brejeiro que o seu amigo brasileiro lhe enviou. Verdadeira poesia popular. Um abraço amigo. António-------------------
---www.Louletania.blog.vu --------------

Fernando Bravo disse...

Ninguém como Florbela cantou a dor, sobretudo a dor da separação, do fim ou do que poderia ter sido e não foi (que é outra forma de fim).

In Loko disse...

Excelente este "Momentos"; a ternura do ritual, a cerimónia da vontade/compromisso realizada com sublime delicadeza... o empréstimo das palavras de Florbela Espanca que realçaram o "quadro" (e Florbela realça sempre por onde anda), e a imagem soberba de Coulbert... Tudo isto brilha menina Marota. Beijinhos

wind disse...

Belíssimo conto!
beijos

Zeca disse...

Tenho que ir reclamar à Lua de Logons a falta de avisos.
O teu odor é tão mágico que jamais me prediria de ti.
Obrigado por me teres reencontrado.
Bom fim de semana.
Fica bem

Teresa Durães disse...

Fiquei arrepiada (foi verdade ou é somente uma história? Há coisas tão insólitas)

Um dos melhores momentos que tive numa praia quase deserta foi uma rapariga que se sentou num rochedo, tirou uma flauta transversal e tocou para o mar.

Foi único.

Boa tarde

Tainara Evaldt disse...

Intenço e gratificante..
Adorei...

annie hall disse...

Não resisto em dizer que isto de decidir onde se irão colocar as cinzas é coisa que dá que pensar:)))bonita historia esta sua , como sempre ,escreve bem.o poema foi muito bem escolhido, como sempre tb.
por mim já deccidi que quando morrer vou para o ceu dos cães:)))bjs annie hall

Janelas da Alma disse...

A história é de uma sensibilidade marcante. Excelente este teu blog!
Obrigado pela visita!

Beijos,

Nuno Osvaldo

amita disse...

É um brilho só e imenso este teu texto que, mesmo não o tendo vidido mas após a sua leitura, jamais se esquece.
Um bjinho grande, amiga e um bom fim-de-semana

Nilson Barcelli disse...

Excelente conto.
És marota, mas escreves bem (for us...).
Um beijo.

Beta Estevam disse...

Muito acolhedor esse cantinho.
Retribuirei todas as suas visitas, com certeza!

vida de vidro disse...

Uma história de uma sensibilidade comovente. Verdade ou ficção, não sei e é muito importante. A essência é a perenidade do amor. Isso já conta e de que forma! **

AMMedeiros disse...

Cálido, muito cálido e envolvente passear-se por aqui.

A narrativa aqui descrita é sublime.
Já assisti e, por vezes, protagonizei (admito) momentos tão raros e profundos como este... cuja leitura foi devolvendo à memória como uma leve brisa, obrigada...
Quando o humano se humaniza a sua alma é infinita.

Um beijo

Joe Nunes disse...

Cada texto seu é uma surpresa e este fez-me pensar; é que, quando morrer quero ser cremado e já avisei a familia disso mesmo.
Uma historia comovente, mas narrada com tal simplicidade, que me vi também eu nessse local.
A imagem de Courbet é a cereja no cima do bolo!
Cpmtos do J. N.

Anónimo disse...

Get out and find out the info on Great Fitness to improve your life!

AS disse...

Querida MM, há momentos que são irrepetiveis!.... Obrigado por teres partilhado esta sublime emoção!

Um aborço grande... e saudades!

asminhasbijuterias disse...

hoje dei um saltinho ate aqui e vou sair do teu blog com uma lagrima no olho, esta historia e linda e cheia de amor. Adorei e emocionei-me. beijos

Águas da Vida disse...

Que excelente post e poema...Obrigada pela sua cordial visita, um excelente inicio de semana.
Big Kiss

Paula Raposo disse...

Um momento irrepetível cheio de emoção. Beijos.

nmc disse...

:)

Barão da Tróia II disse...

Excelente, porra! Boa semana.

woman's secret disse...

Um momento sem dúvida impossivel de esquecer...

Uma nova semana tomou o seu lugar, o tempo esse corre sem parar...
Bjx e boa semana

Cláudia disse...

Vim aqui por curiosidade, e saio com um nó na garganta. É esse o efeito que a beleza das palavras, vividas e sentidas tem no meu coração. Lindo, absolutamente lindo...

José Gomes disse...

Otília,
Prefiro não dizer nada... chego o molhado dos olhos que me ofusca o teclado.
Lindo! Mas que aperta o coração...
Um abraço

Bartender disse...

Querida Madrinha

Abri o meu bar agora e lá espero por ti para o copo inaugural. Tem um pequeno palco à direita quando se entra, para pessoas como tu nos deliciarem com aquilo a que muitos chamam histórias, episódios ou prosas. Eu cá chamo-lhes páginas de vida e aos poemas cânticos da alma.
Esta balada, aliada à página de vida com que nos presenteaste abalam este desgastado coração por tudo o que vivi, incluindo os amores, um deles já lá no céu velando.
É, entre, outras coisas, por momentos destes que vale a pena visitar-te…sempre!
Fica em paz.

EU CÁ VOO CAMINHANDO disse...

bonita históri.

j.a.m.

pitanga disse...

Florbela Espanca? Nada a acrescentar.
beijos

Antonio Melenas disse...

Mas que história bonita, que bonita a forma de o contar e que belo poema. Um dos maispungentes de Florbela, que aliás sei de cor há muitos, muitos anos.
Só é pena eu ter tanta dificuldade em ler os teus textos neste corpo de letra tão pequeno, Helas!
um abraço
António

maat disse...

Merecidos parabéns.
Lindo, é dizer muito pouco.

Prefiro dizer: BELO!



abraço de carinho,

***maat

Anónimo disse...

Li este extraordinario relato no Mhario Lincoln e eme emocionei de verdade. Vc é uma escritora que gera sentimentos muito profundos sabia?
Beijão
Beth

APC disse...

Mas que tonta que eu sou! Como queria eu que se percebesse o meu comentário anterior, se perdi, de todo, a ligação entre uma coisa e outra? Esqueci de dizer que o falecido esposo da senhora tinha sido oficical da marinha (tal como o era o pequeno que levou a efeito a visita guiada ao museu). Ah, esta cabecita d'alho chôcho p'la madrugada afora...! :-(
Um beijinho.