segunda-feira, junho 05, 2006

Amor é um arder, que se não sente...


Imagem de Stefan Hadzi-Nikolov


Amor é um arder, que se não sente;
É ferida, que dói, e não tem cura;
É febre, que no peito faz secura;
É mal, que as forças tira de repente.
É fogo, que consome ocultamente;
É dor, que mortifica a Criatura;
É ânsia a mais cruel, e a mais impura;
É frágoa, que devora o fogo ardente.
É um triste penar entre lamentos,
É um não acabar sempre penando;
É um andar metido em mil tormentos.
É suspiros lançar de quando, em quando;
É quem me causa eternos sentimentos:
É quem me mata, e vida me está dando.


(Poema de Paulino António Cabral)
*Abade de Jazente*

17 comentários:

Anónimo disse...

Nao concordo. Desta vez escolheste mal... péssimo!!!
Amor, amar é precisamente o contrário, força, alegria, é voar sem ter asas, é fechar os olhos e ver estrelas ... ouvir sinos!!!

Já imaginaste o que era esta passagem sem o amor?

Parabéns pela musica escolhida.

Carlos Ferreira disse...

O amor tem, certamente, causas e efeitos diferentes, consoantes as pessoas que o experimentam.

Por isso, o comentário do "anonymous" é muito subjectivo.
Estamos de acordo quanto à música que, como as imagens, a MM escolhe sempre com muito bom gosto.
CF

Bic laranja disse...

Pode manifestar-se assim. E pode, (com menos fulgor poderá dizer-me) manifestar-se como no poema da canção: como dulcíssima melodia e esperançoso desejo de reencontro. Vem com uma pitada de saudade, o segundo. Cumpts.

Joe Nunes disse...

---É ânsia a mais cruel, e a mais impura;
É frágoa, que devora o fogo ardente.
É um triste penar entre lamentos,
É um não acabar sempre penando;
É um andar metido em mil tormentos.---


Ah Abade como tu percebeste bem o amor!!! A ferida que dói e não tem cura!!

E nãooo concordo nada com o anónimo ali de cima!! O poema foi muito bem escolhido!! E quem já sofreu ou sofre de amor sabe do que fala o poema e eu!!

Parabéns MM!! Mais uma bela escolha! E a música... ai esta música!!

Cpm do
J N

RPM disse...

é um 'remake' de Camões....

já conhecia o poema......nas minhas pesquisas encontrei-o e comparei com o de Camões.....quem copiou quem...

um abraço

RPM

Arion disse...

é o sentimento mais agradável e mais estúpido que há!

maresia_mar disse...

Olá Menina,
pois é, o amor é tudo isso, mas mesmo com os senãos, ninguém pode viver sem ele.... Quem me dera estar à beira mar neste momento, acompanhada do meu amor é claro. Bjhs

travessias disse...

Uma boa semana para ti.

Anónimo disse...

O amor pode ser lágrima ou riso, mas a vida sem amor é um vazio sem fim.
Mila Reis

Elise disse...

beijinhos amiga!

zmsantos disse...

Será que vale a pena definir o AMOR?
Será que tem definição?
Não será, antes, urgente, inventa-lo onde não existe e deixa-lo fluir como força, ora devastadora, ora apaziguadora mas sempre, sempre liberto das grades ou cadeias dos pensamentos espartilhados pelo senso comum?

Beijinho, Menina...

jorgesteves disse...

O poema é um colorido molho de palavras-flores! A imagem e o som, numa adequação perfeita...

amizade,
jorgesteves

augustoM disse...

As inscrições para o jantar de homenagem ao Fernando Bizarro já estão abertas no meu blog.
Por favor, divulga o jantar.

Um beijo
Augusto

Peter disse...

O amor é festa, é alegria, são risos.

Parrot disse...

Gostei muito

Era uma vez um Girassol disse...

Reeinventado do célebre poema de Camões, mas eu não serei tão pessimista!

O Amor...
Não tem explicação...
É como ser avó....
Também não!

Marota, parabéns pelas tuas escolhas, música e poemas de grande qualidade. Contigo tenho aprendido muito!
Bjs
B

Anónimo disse...

Very pretty design! Keep up the good work. Thanks.
»