segunda-feira, maio 08, 2006

O canto do melro...


Imagem de Isabel Filipe daqui


O sol entra esplendoroso pela janela envidraçada do meu quarto, dando um tom misterioso ao aposento… afasto o lençol e deixo-me estar assim quieta.
Uma verdadeira sinfonia entoa através da clarabóia aberta, produzindo em mim um efeito maravilhoso.
De um salto, corro a abrir as portadas do terraço e descalça, percorro o espaço e deito-me na cadeira de repouso.
O trinado do melro continua muito mais alto, que qualquer outro.
Parece que ele percebeu que estou ali para o ouvir…De repente, atrevido, pula de telha em telha e, aproxima-se do beiral.
Eu continuo quieta. A cor clara do meu pijamita, parece chamar-lhe a atenção. Ou seriam as minhas pernas nuas? Ele deixa-se estar a cantar para mim. E eu deixo-me estar, a ouvi-lo.
O sol continua a sua rotação, embalada pelos trinados, divago nos meus pensamentos.
A calma do amanhecer liberta os meus sentidos e revejo-me como num filme a cores… o passado já não me dói… o presente apesar de tudo sorri-me, e o futuro está ali, no prazer de apreciar as pequenas coisas que a vida me proporciona.
Um poema, que li recentemente povoa o meu espírito…

“Recomeça...
Se puderes,
Sem angústia e sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só a metade
E, nunca saciado,
Vai colhendo
Ilusões sucessivas no pomar
Sempre a sonhar
E vendo,
Acordado
O logro da aventura
És Homem, não te esqueças!
Só é a tua loucura
Onde, com lucidez, te reconheças.”

(Poema de Miguel Torga)


É hora de recomeçar o dia a dia… sorrio para o melro, que levanta voo, como percebendo que tinha cumprido a sua missão…serenando o meu espírito…corro liberta, sentindo-me feliz…

(memórias minhas...)

24 comentários:

Carla disse...

...RESPIRA-SE A CALMA!

João Bastos disse...

Como sempre, irrepreensível escrita... para quando a sua visita ao meu Blog?
Até...

Manel do Montado disse...

Eta...muié danada! Como se diz no nordeste brasileiro.
É o que eu digo Menina, as tuas coisas juntas das coisas boas, são cornucópias de prazer literário.
Mais um belo fim de tarde após esta leitura.
Beijo

PS: Olha o melro a mirar as pernas da menina, chama-lhe parvo!

Afrodite disse...

Num dia particularmente dificil, soube-me muito bem visitar-te.

Da Roma, un longo e tenero bacio

(tambem da Titas
http://titasonline.blogspot.com /

ÍntimoSedutor disse...

Obrigado pela visita e vim aqui deixar minha intimidade sedutora...
Beijos....

manuel disse...

A fotografia faz-nos desafiar a volúpia do desejo.
" A calma do teu amanhecer" contada com tanta elevação e beleza é tão autêntica, que julgo estar a ver-te realmente acordar e sentir o que descreves. Depois
" para sobremesa" Torga. Que mais dizer?!..
Obrigado por existires.

lique disse...

Um belo amanhecer. Muito feliz, a conjugação do teu texto com o poema de Torga!
Beijinhos

aflores disse...

Boa semana, de preferência com um amanhecer em verdadeira sinf(t)onia. :)

Pamina disse...

Uma semana cheia de começos de dia como este:). Gostei do teu texto, muito bem complementado pelo poema.
Beijinhos.

JL disse...

"Só é tua a loucura onde, com lucidez, te reconheças" O que há mais para dizer? Esta frase resume tudo. Está tudo lá!
Venham mais melros olhar-te assim!

Delfim Peixoto disse...

a imagem e as palavras ligam como um dueto musical.
Perfeito!
bjnhs doces

blackangel disse...

beijos pela escrita pelo poema e por ti...

e pela música, linda...

TMara disse...

como de uma ocorrência, ou conjunto de ocorrências (deixa-me dizer)banais consegues fazer uma bela estória cheia de encanto e poesia.
beijo fraterno

maresia_mar disse...

Olá Menina,
o conjunto, poema e texto estão deliciosos! Eu tenho melros no meu jardim, eu acho que a mesma família volta todos os anos para fazer o seu ninho... o seu canto dá-me calma e alegra os meus dias. bjhs e muitos sorrisos

Passo disse...

nascer do sol o amanhecer, o inicio de um novo dia de um novo ciclo de um novo olhar sobre o mundo :)

Luís Monteiro da Cunha disse...

Não sei se te encantaste com o melro... ou se
ficou ele encantado
contigo e como ave feliz
dedicou-te um trinado
perene de emoção e exaltação
no teu coração de petiz
serenando a tua manhã
nas imagens da ilusão
sumarentas como romã
deitada no caramanchão
lugar espacial, talismã
onde imberbe sossegas
as ideias e o sonhar
pudera eu aí deitar
esperando que chegues
com o melro a trinar
seria belo ouvi-lo cantar!

Bjinhos
Luís

António disse...

Querida MM!
Magnífico post a cheirar a primavera e a optimismo.
Quanto ao melro:
"O melro, eu conhecio
era negro, vibrante, luzidio..."

Obrigado pelo teu comentário
"maduro" à minha Reflexão.

Nota: O site onde estão as informações sobre o almoço de 17 de Junho está complicado. Não me consegui inscrever.

Beijinhos

Friedrich disse...

Então e o meu romance não estás a acompanhar, se estás não comentas!?:)) Agora afastei-me da má política, procuro apenas o comportamento humano que a desacredita, é muito mais saudável e não dá tantas dores de cabeça. Abraço a poesia com ambas as mãos mas só uma a escreve, a outra faço festas e carícias em prosa... Vá lá, vai até lá e deixa a marca da tua passagem!

Beijos Abraços e força na língua... Como quem diz: - Nas teclas!

BlueShell disse...

Um abraço tipo BueShell
º0º0º00ºº0º0º0º0º0º0º0º0º0º

Peter disse...

Adoro os melros que aqui, em plena Lisboa, me despertam. É uma ave de que gosto, pela sua esperteza, negros, de bico amarelo, as fêmeas mais discretas e menos vistosas, o que é uma incongruência.

Arion disse...

Na minha escola há melros... E andam por ali, mesmo ao pé de nós.

Elise disse...

lembrei-me dos melros no outsider! :) beijinhos

Adryka disse...

Mas que belo, adorei.Fizeste-me lembrar o poema do Padre Cura. Beijinhos

Ruvasa disse...

Viva, Menina!

Na verdade, há momentos que ficam connosco para sempre. Únicos.

Abraço

Ruben