quinta-feira, março 02, 2006

Pássaro Preto

Porque há momentos em que a comoção fala mais alto…



Negro, negro
cabelo branco... manhãs e tardes
na tua varanda gradeada.
Ora só, numa preguiçosa
ora acompanhado, num dominó animado
... mas só ou acompanhado
ouve-se o cantar de um pássaro cativo.

Negro, negro
cabelo branco:
tens grades na varanda
pássaro preto
tem grades na gaiola.

Negro, negro
cabelo branco:
ao menos tens a chave da porta
... pássaro preto
água, arroz, tristeza, revolta.

Branco, branco
cabelo preto:
estar no meio de gente é não estar só?

Branco, branco
cabelo preto:
um homem, tendo a chave da porta seguirá seu caminho?!
... caminho que leva às ruas e praças – sem medo?

Branco, branco
cabelo preto:
já escapei de corisco
catei caranguejo como bicho
derrubei marruá na unha
segurei a vida com os dentes
com os dentes enxotei a morte
mas o cutelo fatal nos encontra qualquer hora
fazendo-nos chorar os filhos antes da hora.

Branco, branco
cabelo preto:
quantas covas abertas
quantos calos nas mãos
pro caroço virar espiga
e matar a fome da família desse cristão?
Branco, branco
cabelo preto... uma coisa me intriga:
por que não vejo a maior parte dos frutos da minha lida?!

Branco, branco
cabelo preto:
o prefeito, o deputado, o juiz, o padre, o pastor
dizem:
todos são por mim
fazem leis que me protegem
rezam horas a fio pela minha salvação
... mesmo assim as coisas não melhoram pro meu lado
... quão grande será o meu pecado?!

Branco, branco
cabelo preto:
o que tem a ver com o meu pecado
o pássaro
por mim engaiolado?

Branco, branco
cabelo preto:
... ah, esse desejo de ir pra lá do horizonte!
... essa voz presa, querendo ecoar nas folhas dos carnaubais
onde canta livre o pássaro preto!

Branco, branco
cabelo preto:
um dia
a correr com o vento
volto no tempo
donde escapei de corisco
derrubei marruá na unha

Mas
se na unha segurei a vida
se com os dentes enxotei a morte
o tempo sem dó foi me enredando.

Hoje estou preso
tal pássaro cativo.

Volto pra várzea
levo a gaiola
abro a porta
solto o pássaro.
Livre
o pássaro solta um grito
solta o canto
(não mais de tristeza ou revolta).
Olha para mim
como a dizer: - “vem!”
Quedo mudo
ali parado.

Cantando
o pássaro voa pro infinito.

Tem nada não, passarinho:
também vôo... um dia!


Poema que o meu querido Batista Filho me dedicou aqui...

44 comentários:

augustoM disse...

Se pensarmos bem, todos nós também temos qualquer coisa de pássaro engaiolado. Quem tem a consciência da liberde absoluta?
Um beijo. Augusto

maresia_mar disse...

Pois foi o João é um amigão e ainda por cima brinca com as palavras... lindissimo.. a gente fica assim nem sei como, vaidosa até não é???
Bjhs

luis manuel disse...

Nas asas da fantasia...

Voar para o infinito, soltando um canto de alegria e esperança.
Tem tristeza não...
Revolta ? Também não ...

Beijunhos

lique disse...

É sem dúvida um escritor extraordinário e uma alma grande.
Beijinhos, amiga e obrigada pelo carinho

Friedrich disse...

Uma peculiar forma de transmitir sensações tranquilamente inquietantes…

Beijos

António disse...

Bonito poema que tu aqui puseste!

Obrigado pela visita e pela intenção demonstrada de ler o meu trabalho.
Mas cuidado!
Cuidado com os olhinhos!
Eles estão em primeiro lugar.

Beijinhos

lena disse...

um poema lindo de quem escreve com a alma

um voar de emoções com palavras, até ao infinito
um grito que se sente cheio de sentimentos

bem o mereces menina


beijinhos cheios de ternura para ti doce menina

e fica bem rapidinho


lena

lena

Micas disse...

É lindissimo o poema.
Beijinho

Tita disse...

O poema está sem dúvida espetacular! bj*

Adryka disse...

Está fantástico amiga.Beijinhos

Passeando no Parque disse...

O Pássaro da alma no coração duma menina marota está voando bem alto nos corações que ser prendem aqui.
beijão...

Parrot disse...

Gostei muito do poema.

Bjs

Ps- Uma provocação: Com a gripe das aves....tens de ter mais cuidado com os poemas. :)))

Bom fim de semana

Elise disse...

Muito belo o poema. Que bom ter amigos assim! tem um bom fds! :)

eco de mim disse...

olha... uma família blogueira... e o poema é bem bonito, mamã! ;) eh!

Betty Branco Martins disse...

Olá Menina Marota

A poesia maravilhosa do nosso amigo Batista.

Recebeste um "presente" LINDO!

Da palavra fez um voo
da bela cotovia
vai no vento... cantou
deixou no teu regaço, a sua
poesia.

Beijinhos

Bfs

Pamina disse...

Muito bonito o poema e o gesto. Não conhecia o blog do teu amigo.
Desejo-te um bom fim-de-semana. Um beijinho.

musalia disse...

estes são os mais preciosos, os amigos e os poemas:)
beijinhos, menina marota.

lazuli disse...

meu deus...que bonito!
Havias de me emocionar esta noite...

CondeDálmada disse...

Uma vez mais é com prazer que te visito.
Obrigado por deixares a porta entre-aberta.
Bom fim de semana.

Peter disse...

"estar no meio de gente é não estar só?"

Boa pergunta.

Luís Monteiro da Cunha disse...

Grande e bela dedicação, te fez o Batista!

Passei apenas para desejar-te um bom fim de semana, apesar do que prevêem os meteorologistas...

Bjinho

Vens a Vermoim? Logo?

Isabel-F. disse...

belissimo poema...
e uma homenagem que bem mereces...


beijinhos

Su disse...

belo. gostei de ler
jocas maradas

Sandra disse...

Depois de há algum tempo... olá! Por hoje é só para te dizer que, se bem com algumas diferenças- em particular estéticas- "O bismo Negro de Sonhos Esquecidos" continua neste novo espaço onde me encontro. Espero ver-te por lá.

Um grande beijinho :)

Sandra disse...

É pá... 2 gralhas! o "há" está a mais e ao "bismo" falta o "A". Eheheh... Mas tu entendes ;)

Jinhos :)

Lumife disse...

Em Alvito acontece...

Já somos 44...

Esperamos muitos mais (E que tal vires até ao Alentejo?)


Bom fim de semana

Beijos

Daniela Mann disse...

Venho agradecer e retribuir a visita! Foi muito gentil.
Gostei muito do seu blog e voltarei com certeza!
Um abraço,
Daniela

pipetobacco disse...

{ ...

sempre que te encontro triste
e negra, em teu manso branco
véu, meu lúgubre jeito e viste
misturo-te amor em minha dor
e em cinza resulto, reverto cor

© corvo negro

... }

Tó Luis disse...

Parabens pelo poema...sabe bem o ter lido a uma hora destas...descontrai e ao mesmo tempo dá que pensar...coisas boas naturalmente...em todas as casas á um cantinho,foi bom ter estado neste...cantinho.
comprimentos Tó Luis
estou em http://pinturasonline.blog.pt

maat disse...

Bom fim de semana.
Paz!
obrigada pela sua visita.



***maat

Ant disse...

Só uma menina muito marota lê as Palavras Cínicas do Albino.
Obrigado pela visita e pelo comentário.

As máscaras, essas vãose desvelando à medida que crescemos.
Eu quando for grande não quer usar.

BJos

Que bela dedicatória.
É porque mereces, por certo.

Mestrinho disse...

Voa, seja cabelos brancos, seja cabelos pretos, Voa livre da gaiola. Lindo poema, ainda mais por ser escrito de um filho para uma mãe.. Gostei muito de regressar ao teu blog.
Bjos

lena disse...

e vim reler e sentir como se pode voar mesmo a sonhar

beijinhos muitos para ti menina linda


lena

planaltobie disse...

Miguel Torga!

PCosta

Sulista disse...

Lindo! e tu mereces isto e muiiiiiiiiito mais!!!!! :-)

Grande Abraço Amiga ;-)

maryy disse...

Adorei o que acabei de ler!!!

obrigado pela sua visita no meu blog, gostei muito em saber que vai la espreitar ;)
um beijinho e um bom inicio de semana!!!

Maria Papoila disse...

OBrigada pelo rasto deixado lá no campo. Este poema é belíssimo..."Tem nada não, passarinho: também vôo... um dia!" Beijo

Amaral disse...

Comoção natural por oferta tão grandiosa. "Livre, o pássaro solta um grito, solta o canto", e as prisões esfumam-se e as barreiras desmoronam-se na magia dum sonho...

TÍCIA disse...

Vim conhecer o teu cantinho, e gostei tanto assim! Parabéns. Tem muita beleza.
espero vc la

beijocas

Matilda Penna disse...

Com tanta sensibilidade, consegui senti cheiros, ruídos e emoções.
Parabéns
bjs

mariaclarinda disse...

Maravilha de dedicatória...parabéns aos dois

Silêncios disse...

Já passei por isto, em outro canto ...:)
DEixo um beijo

Carlos Morais disse...

"Cantando
o pássaro voa pro infinito."

Revi neste poema algumas ideias, pensamentos e sentimentos do início da minha adolescência... miúdo apaixonado, sonhador, inquieto... Mas bom é que ainda sou adolescente, eterno!...

amita disse...

Já aqui tinha passado, lido e encantada fiquei com este poema. Na altura não houve tempo para te dizer nada, mas a sua sonoridade ficou-me nos ouvidos,na mente. Presto homenagem ao excelente pintor do retrato e para ti, minha amiga, bjinhos, uma flor e as rápidas melhoras