sábado, março 18, 2006

Bom fim de semana...


Imagem de autor desconhecido


Sem mais nem menos
surgiu o passado,
corpo intranquilo
feito de sons semelhantes
aos rostos que amei,
universo donde me excluí,
mar desprovido de cais
na obliquidade dos contrastes.

Esta noite voltei à minha infância:
menina rosada de sonhos nos bolsos,
bailarina de corda na caixinha de som.

À infância regressa-se solitariamente,
subindo um rio sem margens,
até ao lugar em que a nascente
se confunde com o tempo
e o tempo se transforma em espanto.

Procuro, teimosamente,
o rasto da brisa
que me invade o corpo
e apenas sei que o sonho
é um risco inquietante,
quando a solidão tem rosto
e se conhece a posição das estrelas
no âmago das palavras.

Reinicio a infância
no esboço do poema
e circunscrevo o litoral
fragmentado do que sou.

Quem foi que descodificou
o céu no meu olhar
e me deixou na alma
um deus imaginado?

Quando o espaço do sonho é circular
como o tempo das cerejas,
ou da migração dos pássaros
que fendem o infinito,
inadiado é o rito da poesia.

Se eu fosse uma gaivota, dançaria
na proa dos veleiros
até à hipnose
de abraçar a maresia.

(Graça Pires in "Regresso")

10 comentários:

wind disse...

Graça Pires é pouco divulgada na net e é uma poetisa que gosto muito. obrigada:) A foto é linda! beijos

Passeando no Parque disse...

Passando para saber de vc...e ler folhas deste parque... Linda Semana... Beijos, carinho.

silencebox disse...

Lindo poema, não conhecia esta poetista. O regresso à infância... como isto traz saudades, como é bom recordar!
Está chover mas tens o meu sorriso para iluminar o teu fim de semana.
beijinhos carinhosos!! =)**

MDeus disse...

Alô Menina Marota, gostei da visita e do comentário simpático, espero que volte e não leve muito tempo, porque ainda hoje coloquei um desafio a todos, espero pela opinião.

Gostei muito do poema e do blog,

Beijinhos,

Maria de Deus

Arion disse...

Gosto tanto de vir aqui ler os poemas que aqui transcreves!!! Nem sempre comento, mas venho cá amiúde. Em nome dos litorais fragmentados que todos somos.

Anamargens disse...

Beleza de poema e foto de sonho.
Bom gosto e está tudo dito.

seirén disse...

:)

Curioso encontrar aqui este poema. Hoje, também eu regressei à infãncia, pelachuva.

Muito bonito.

AmigaTeatro disse...

bom fim-de-semana, marota :)*

lena disse...

gosto de lr Graça Pires, tenho esse livro dela, gostei muito de a ver aqui partilhada. é exlente, deixo-te um pequenino poema dela:


O teu rosto, longamente procurado,
não tem búzios, nem conchas, nem corais.
Na praia, até então intacta,
sinto a luz dos teus passos.
Ou será uma onda fugitiva,
a tornar transparente a tua ausência?

Graça Pires

beijinhos para ti menina linda que nos ofereces sempre algo especial

lena

Bic Laranja disse...

Obrigado! Desejo-lhe uma boa semana. Cumpts.