segunda-feira, janeiro 30, 2006

Balada da Neve...




Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho...

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria...
- Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho...

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança...

E descalcinhos, doridos...
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!...

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!...
Porque padecem assim?!...

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
- e cai no meu coração.

(Poema de Augusto Gil in Luar de Janeiro)



Confesso, que a ideia de trazer aqui este Poema, nasceu ao "navegar" neste Blog…

43 comentários:

sofialisboa disse...

olá sabes o mais engraçado é que este poema ainda faz parte dos livros de leitura da 2ª classe. descobri isso no outro dia quando a minha filhota pequena começou a ler um poema muito lindo que falava da neve. ontem quando soube que ela queria ver a neve corri com elas para o bombarral onde nevava muito, ela brincou e adorou a neve. coisas de criança mas que ficam para sempre. bjs sofialisboa

Aromas Do Mar disse...

De volta, vim cá ler-te, matar saudades, deixar-te um beijo grande e expressar os meus desejos de que estejas melhor.

Lina/Mar Revolto

Amaral disse...

Bonito, terno, tão belo que está o poema. É sempre bom lembrar, principalmente nesta altura!... Boa ideia!

musalia disse...

poema inesquecível, tão dolorosamente belo!
e tu, já estás recuperada? espero bem :)
beijinhos, menina marota.

Pamina disse...

Aqui também caíu um bocadinho.
Não sabia que os miúdos ainda "aprendem" este poema. Eu sabia-o de cor, acho que ainda sei. Vou experimentar.:)
Boa semana e um bj.

Marco Ferreira disse...

Poema completamente de acordo com aquilo que se passa na maior parte do nosso Portugal (maior parte ???? que lindo !!!!)

obrigado pela visita e continuação de uma boa recuperação (se for caso disso)

marinheiroaguadoce a navegar

☆Fanny☆ disse...

Uma paisagem que encantou o meu olhar...

Um beijinho*

Fanny

daalgempaKu disse...

Uma paisagem encantada que encontou Portugal inteiro cheio de neve e fantasia... Espero que tenhas gostado do nosso blog, e que seja a primeira de muitas visitas ao nosso/teu blog

wind disse...

O Hino de Augusto Gil:) beijos e as melhoras*

Henrique Santos disse...

Foi-se com o vento? Não o Vento trouxe-nos esta maravilhosa balada. Obrigada, Ricky

paper life disse...

A ternura dorida desse poema ppermanece inalterável com o tempo.

Bem postado.

Bjs e saúde!

:)

ferrus disse...

Adoro esse poema, sempre o amei. A forma como começa, a doçura dos elementos e acabar na dor de quem sofre com o belo...Um mestre. Obrigado pela partilha. Beijinhos e as melhoras sinceras.

Lúcia disse...

lindo e actual! :))))

cm disse...

saudoso Augusto Gil...e das corridas por algumas das também suas calçadas e ruelas...

Perfect Woman disse...

Se bem que já conhecia o poema foi muito bom rele-lo :-)
Obrigada por este momento.
Jinhos ternos

AntropoLógica disse...

Obrigada por este lindo passeio pelos dias da minha infância. :)

Boa tarde e até breve,
A.

lena disse...

tão bom recordar este poema e o momento foi lindo!

menina linda partilhas momentos muito bons

espero que estejas a ficar melhor
e fica com um beijinho meu

lena

lobices disse...

...Tilitaaaaaaaaa: :) venho agradecer e retribuir o teu amável abraço de saudade
...apertadinho, tá?
beijinho

Cristina disse...

Que lindo e tão apropriado
:)
beijinhuuu

bic laranja disse...

Mas a neve de domingo aqueceu mais o coração. Cumpts.

lazuli disse...

que não caia neve no teu coração, só lá fora..
No teu coração deve cair ternura e amor

Crys disse...

Oi menina, demorei mas cheguei. Primeiro obrigada pela visita e pelo carinho que depositou no meu Jardim. E outra, é que fiquei encantada com teu blog, é pura poesia, sensíveis e encantadoras. Tudo muito agradável de se ler. Com tua permisão, estou linkando vc. Uma boa semana pra, beijoss

maresia_mar disse...

Bom dia Alegria,
eu conheço bem este poema é lindo, e a foto magnifica e a lembrar bem o frio dos últimos dias... Bjhs grandes vizinha

Ofeliazinha disse...

Mas é sempre um belo poema para se trazer a qualquer altura. ;)

lique disse...

Um poema de que nunca nos esquecemos. Há palavras assim que ficam marcadas em nós.
Beijinhos

Crix disse...

Olá
Vim agradecer os comentários e retribuir a visita.
Numa passagem rápida adorei a maioria dos poemas, por isso vou ter que voltar... e quase de certeza levar comigo alguns que gostaria de guardar mais de perto, ao alcance de um toque...
como este último, por ex.
Tudo de bom e um sorriso, sempre!
Crix

Lyra disse...

que seja o sol a vestir hoje o teu coração. um abraço. da alma.

missivas disse...

O encanto de sempre.
Continuação de boa semana.

...agora que já não há cartas.

@Memorex disse...

Olá Menina-Marota, acima de tudo agradeço pelas tuas palavras no meu cantinho e segundo desejo-te as maiores melhorias e recuperes depressa pra leres Posts daqueles que te visitam e por ultimo: um abração forte e carinhoso pra ti da Memorex.

P.S-» O poema é simplesmente fabuloso! A queda de neve foi acima de tudo INESPERADO :)

Carmem L Vilanova disse...

Ainda nao conheço a neve... e tenho medo do frio que possa sentir, confesso! Nao sei se gosto ou se nao gosto... só no dia em que a sinta e veja de perto...
Deixo-te muitos beijinhos, querida amiga!

batista filho disse...

Querida amiga... Amiga: taí uma palavra gostosa de falar - faz um bem pra alma da gente! Eu não sabia, honestamente, que seria assim ao começar a visitar e a conversar com as pessas através desses sítios... como poderia imaginar?... sempre tive, e tenho! - dificuldade com essas "modernidades"... mas a amizade é um sentimento que transcende às épocas e lugares. Que bom poder chamá-la Amiga! Um beijo fraterno.

Isabel-F. disse...

...é lindo este poema...nunca me canso de o reler...

declamei-o...nos meus tempos de liceu...numa festa qualquer...


beijinho

pequenita disse...

parabens pelo blog...esta deslumbrante....adorei a sua escrita...bjinhusss

Elise disse...

já recuperaste? espero que sim!

pois é, só aqui no porto é que não nevou. baahh

beijos!

tecum disse...

Tantas memórias, de há tantos, tantos anos, me trazem estes versos! Foi um bom momento este meu,o da rememoração da escola primária. O som ambiente ajudou muito. Que bela música!

Beijinho de boa noite.

Silêncios disse...

Gosto, gosto muito!
Fica um abraço

GNM disse...

Lembro-me de estar na escola primria, ler este poema e ficar encantado...
E agora, percorreu-me uma sensação de nostalgia.
Que bom!
Obrigado.

Sorri!

lazuli disse...

e com tanto alarido, nem vi uma migalhinha de neve.
beijos*

augustoM disse...

Foi a neve que te inspirou a publicares o poema de Augusto Gil. Tenho um carinho especial pelo poema pois é meu conhecido desde a infância.
Um beijo. Augusto

AS disse...

Este maravilhoso poema lembra-me uma cena que não mais esqueço! Andava na primária, ensino básico como agora pomposamente se chama, e numa festa de Natal, a prof. designou-me para ler este poema. Entrei cheio de coragem no palanque que servia de palco... e não consegui dizer uma palavra!...

Quem sabe se não é por isso que eu hoje adoro poesia???

Um grande abraço.............

De Amor e de Terra disse...

Eterno, não é verdade Amiga?
Eterno porque sempre belo!...
Beleza de imagem.

Gosto dos teus posts.

Abraço-te forte

Maria Mamede

João disse...

Foi bom ouvi-la, sentir a ternura do seu olhar

tavares disse...

por acaso sabem o nome da cantora que canta este poema? sempre gostei deste poema,e quando o ouvi cantado,ainda mais gostei. a joana amendoeira canta este poema em fado,mas há outra que canta,sem ser em fado.